O presidente da Fifa, Joseph Blatter, condenou nesta terça-feira as manifestações racistas da torcida do Betis contra o zagueiro brasileiro Paulão, da própria equipe, durante rodada do Campeonato Espanhol, no domingo. O dirigente disse estar “enojado” com as ofensas e pediu maior punição nos casos de discriminação no futebol mundial.

“Estou enojado com os atos dos ‘torcedores’ que discriminaram um jogador do Bétis. Eu condeno estes gestos, que foram vistos por milhões de pessoas na TV”, afirmou Blatter, em seu perfil no Twitter. “Eu vou dizer de novo: não faz sentido combater o racismo com multas. Isto deve ser encarado de frente por todos os organizadores de competições”.

Blatter se refere à política de “tolerância zero” que tenta implementar na Fifa em relação aos casos de discriminação. O presidente quer punições mais severas aos clubes que contam com torcedores racistas, conforme documento publicado pela Fifa em maio, após o Congresso da entidade realizado nas Ilhas Maurício.

“Os membros da Fifa aprovaram resolução no Congresso para combater a discriminação”, lembrou Blatter, cobrando medidas dos responsáveis pelo Campeonato Espanhol. “Chegou o momento de punições mais pesadas”, avisou.

Entre as orientações pregadas pelo documento oficial estão penas mais leves, como multas, advertências e jogos em estádios sem torcida, e sanções mais duras para os casos reincidentes, como a perda de pontos, expulsão do campeonato e até o rebaixamento. Jogadores ou árbitros acusados de racismo devem ser suspensos por até cinco partidas.

As ofensas racistas no jogo de domingo aconteceram assim que Paulão recebeu o cartão vermelho aos 42 minutos do primeiro tempo. Irritados com a expulsão, torcedores xingaram o zagueiro e imitaram gestos de macaco. Antes de o brasileiro ser expulso, o Betis já perdia do Sevilla por 1 a 0. O placar final foi de 4 a 0.