O presidente Joseph Blatter disse nesta segunda-feira que a Fifa considera a possibilidade de utilizar assistentes extra em campo na próxima Copa do Mundo com o objetivo de auxiliar o trabalho dos árbitros. O dirigente ressaltou que o toque de mão de Henry no lance do gol que classificou a França para a Copa do Mundo de 2010, eliminando a Irlanda, mostrou que os árbitros precisam de uma maior ajuda.

O comitê executivo da Fifa vai realizar uma reunião de emergência na Cidade do Cabo, na quarta-feira, dois dias antes do sorteio da Copa do Mundo, para discutir se recomenda a adoção de árbitros extras. Se a ideia for aprovada, a proposta será votada pela International Board, em março de 2010.

“Os seres humanos estão tentando obter uma vantagem e é isso não é bom e nós temos que lutar contra isso. Temos apenas um homem no campo de jogo que deve intervir neste assunto. Ele tem dois assistentes, por enquanto, talvez mais no futuro. Ele tem que tomar uma decisão imediata. Ele tem apenas dois olhos. Então o controle do jogo está agora na nossa agenda. Como vamos evitar essas situações como vimos neste jogo específico?”, disse.

O dirigente descartou, porém, a possibilidade de adotar recursos tecnológicos. “Com a tecnologia, você tem que parar o jogo. Você tem que olhar as câmeras.Agora, eu acho poderia haver mais assistentes” opinou. “Nós temos que manter a face humana no futebol e não ir para a tecnologia. Eu penso que a tecnologia na linha do gol [chip na bola para verificar se a bola entrou], quando preciso, poderá ser aceito no futebol internacional”.