Roberto Brum elogiou o trabalho
do técnico Antônio Lopes.

Foi realmente a recuperação que todos esperavam. O Coritiba venceu o São Paulo, exorcizou os fantasmas e está animado para tentar a classificação para a segunda fase preliminar da Copa Sul-Americana.

O jogo contra o São Caetano está marcado para amanhã, às 18h30, no Estádio Anacleto Campanella, e desta vez o Coxa não poupa ninguém. Muito pelo contrário: vai com tudo para conseguir a vaga.

Para isso, é necessária uma vitória por dois gols (ou mais) de diferença para evitar os pênaltis, que serão necessários caso o Coxa vença pela vantagem de um gol. “Se a gente jogar como jogou contra o São Paulo, tenho certeza que vamos evitar a decisão por pênaltis”, avisa o volante Roberto Brum, melhor em campo na partida de quarta.

O técnico Antônio Lopes está ainda saboreando o bom resultado, mas com os olhos voltados para o Azulão. “Eu estou satisfeito com o rendimento do time, principalmente porque atuamos bem em duas partidas sucessivas. E isso me faz ter esperanças de classificação”, comenta ele, que garante estar confiando nos seus jogadores. “Eu sempre acreditei. Conheço a capacidade do elenco, e tenho certeza que vamos vencer”, avisa.

Os jogadores também confiam no Delegado. “Vocês não sabem como ele preparou o time para este jogo com o São Paulo. O Lopes deixou tudo encaminhado, de uma forma que era nossa obrigação vencer”, elogia Roberto Brum. “Nós estamos muito bem, e isso é fruto do nosso trabalho diário”, completa o zagueiro Miranda.

Os dois, e todos os titulares, vão estar presentes em São Caetano do Sul. Antônio Lopes não pretende abrir mão do time principal no jogo decisivo. A definição da equipe, entretanto, fica para hoje, após o treino que vai acontecer na sede campestre do Pão de Açúcar. Se Tesser, um dos destaques da partida do Morumbi, voltou porque não está inscrito na sul-americana (Tiago Soler também retornou a Curitiba), Lopes conta com Pepo, liberado pelo departamento médico. Outro que viajou para São Paulo foi o atacante Alemão, recuperado das dores no joelho.

Aprovado

Enquanto isso, o restante do elenco treina no CT da Graciosa. E o zagueiro Allan foi a novidade de ontem, realizando os exames médicos necessários para a assinatura do ?novo? contrato com o Coxa – ele retorna ao clube após quase três anos longe. “Ele sofreu uma fratura de tornozelo quando estava no Botafogo, e por isso era necessário um exame mais aprofundado. Mas está tudo bem”, comenta o médico William Yousef.

Vital, de dúvida a afirmação

Ele venceu a dúvida. Reginaldo Vital, em apenas três jogos pelo Coritiba, mostrou que ainda tem condições de ser o jogador que é considerado uma das maiores revelações da história do Paraná Clube, e que ainda pode ser útil a uma equipe de futebol. Destaque coxa contra São Caetano, Atlético e São Paulo, o armador já pode se considerar titular coxa.

Depois de novidade (na estréia, semana passada) e surpresa (no Atletiba), Vital agora é uma afirmação. “Eu estou muito empolgado com a recuperação dele. Nós demos tempo para que ele se recuperasse, e agora que ele voltou deu um equilíbrio tático que nós não tínhamos. Ele está muito bem, e estamos todos felizes”, elogia o técnico Antônio Lopes, que trabalha com o meio-campista pela primeira vez. “Quando eu saí do Paraná (em 1996), ele ainda estava no time júnior.”

O que significa ainda mais para Reginaldo Vital. Aqueles que já o conheciam, como o gerente de futebol Oscar Yamato, o coordenador técnico Sérgio Ramirez e o preparador físico Manoel dos Santos, acreditavam que ele poderia voltar a jogar bem. Mas nem Lopes nem a torcida coxa estavam certas de seu retorno, e por isso o jogador se sente ainda melhor. “Eu consegui provar que não estava acabado para o futebol”, resume.

E mais: rapidamente, ele se transformou em uma das referências técnicas do Coxa. “Ele tem um bom passe, arremata bem de fora da área e joga com facilidade. É um meia do tipo que nós precisávamos”, festeja Antônio Lopes. Vital, prudente, sabe que precisa ser mais que um bom jogador agora, tanto que nem quer falar do passado.