Na coletiva sobre o arbitral do Paranaense, o presidente da FPF, Hélio Cury, se posicionou a favor dos estaduais, mesmo indo contra uma frente liderada pelo Bom Senso F.C., e que pretende diminuir cada vez mais o número de jogos na temporada. O dirigente aproveitou para cutucar o movimento encabeçado por Alex, do Coritiba, e outros jogadores veteranos, dando a entender que só os que estão em fim de carreira estão protestando. “Eu não discordo do Bom Senso, mas é muito fácil falar. A maioria dos jogadores que estão falando é formada por aqueles próximos de encerrar a carreira. Mas porque não falaram isso dez anos atrás? Quando está mais cômoda a situação, é muito mais fácil fazer a defesa. Acho bacana, mas tem que falar também com aqueles que ganham um, dois, três mil reais. Esses sim precisam se fortalecer’, afirmou.

De acordo com o dirigente, os estaduais são fundamentais para a revelação de atletas e ressaltou que é preciso ver o lado daqueles que dependem da competição.Além disso, o dirigente apontou que os jogadores precisam ver os lados dos clubes também, que dependem de renda e jogos para pagar os altos salários de seus elencos. ‘Eu não conheço jogadores na Rua XV, no Batel, mas sim nas vilas de Curitiba. Temos que analisar bem isso. Eu respeito o atleta em relação ao seu direito de férias, mas eles são muito bem pagos. Então, se diminuir o número de jogos no ano, tem que diminuir o salário também. O jogador tem que ser pago, custa caro e o time busca dinheiro com renda, jogos, sócios, propaganda. Diminuindo os jogos, diminui também sua condição de pagamento’, polemizou Hélio Cury.