Pepo, com Bona, pode
começar jogando domingo.

O treino coletivo que serviria para definir o Coritiba que vai enfrentar o Vitória, domingo, às 17h, no Barradão, acabou gerando novas dúvidas para o técnico Paulo Bonamigo.

A formação com três zagueiros de ofício, adiantada pelo treinador na terça, pode acabar ficando apenas no projeto. E Pepo, que sempre aparece nas horas decisivas, pode ser a grande novidade coxa.

A primeira metade do coletivo mostrou exatamente o time pensado por Bonamigo no dia anterior, com Danilo, Odvan e Nivaldo na defesa, e Reginaldo Nascimento voltando ao meio-de-campo na primeira função. Apesar de o time conseguir sair para o jogo, com Edu Sales e Marcel tendo boas atuações, teve falhas, e elas preocuparam o treinador alviverde.

A principal delas foi vista justamente na jogada que o técnico queria que fosse evitada – em um cruzamento, o centroavante reserva Gélson subiu sozinho entre os três zagueiros e marcou de cabeça. No meio campo, Bonamigo esbravejou com a trinca, lembrando-se da “artilharia aérea” do Vitória. “Eles têm o Marcelo Heleno e o Marcos que sobem, e os lançamentos do Almir. Temos que tomar todo o cuidado possível”, adverte.

Além disso, o treinador se preocupa com a possível dificuldade na saída de jogo. “Não posso ficar sem opção de saída”, comenta. Por isso ele mexeu, colocando Pepo no lugar de Nivaldo. “Ele vem treinando muito bem, e é um jogador que facilita o trabalho dos outros”, elogia Bonamigo. Com o volante na equipe, o time formou com Fernando; Maurinho, Danilo, Odvan e Lira; Reginaldo Nascimento, Roberto Brum, Pepo e Jackson; Edu Sales e Marcel.

E é provável que essa equipe comece jogando em Salvador, apesar de Bonamigo querer pensar mais um pouco. “São duas opções de jogo, a formação com três zagueiros me agradou na terça, e eles podem precisar de um pouco mais de treino. Até viajarmos ainda tem tempo, e vamos chegar no sábado em Salvador”, justifica.

Só que a entrada de Pepo deu maior vivacidade ao time. “Ele se aproxima dos companheiros, cria opções. E nós estamos precisando disso”, explica Bonamigo. Além disso, o treinador tem confiança em Nascimento fechando a defesa. “Sempre que o Reginaldo jogou por ali foi elogiado. E agora que voltou à sua função ele vem tendo maior dificuldade”, resume.

Além de Pepo, Lima também entrou no time titular durante o coletivo. Em uma hipótese mais remota, o meia-atacante até pode entrar na equipe, como opção tanto a Edu Sales (que está ainda se recuperando) quanto a Jackson. “Eu confio no Lima, sei do potencial dele”, diz Bonamigo, que pretende definir a equipe ainda em Curitiba.

Técnico cobra muito no treino

“Vamos lá, dessa forma não dá!” “Isso aqui não é categoria de base!” “Vamos cruzar com um pouco mais de vontade.” Estas são três frases pinçadas do longo treino de ontem, no Couto Pereira. Apesar de Paulo Bonamigo não confessar, são atitudes novas para quem acompanha o Coritiba, e que demonstram que o treinador tenta ‘sacudir’ o elenco às vésperas dos três jogos finais do campeonato brasileiro.

A primeira mostra dessa mudança de atitude foi a declaração dele na terça, quando afirmou que “só quem acreditar vai viajar para o Nordeste”. Uma declaração até então inimaginável para Bonamigo, que sempre deixou claro sua preferência em resguardar o elenco. O posicionamento dele agradou a direção. “Não foi uma atitude linha-dura. Foi uma prova do profissionalismo do Paulo, que provou porque está aqui há um ano e sete meses, e esperamos que fique ainda mais”, elogia o secretário Domingos Moro.

Durante o coletivo, Bonamigo não escondeu sua irritação quando via defeitos no time principal. A mesma coisa foi vista no trabalho de finalizações, onde impunha qualidade aos lançadores e rigor aos atacantes. “Ele cansou de ficar passando a mão na cabeça. Ele quer agitar todo mundo”, diz um membro da comissão técnica, atento à alteração do comandante.

Mas Bonamigo prefere dizer que nada mudou. “Meu jeito sempre foi esse, não estou diferente”, garante. Mas ele confessa que é a hora do elenco entrar em um clima de cobrança interna. “Não podemos ficar no ‘por favor’. Todo mundo precisa perceber que o momento é de extrema importância, e nós temos que partir com tudo”, resume.

Para os jogadores, tudo tranqüilo. E todos entraram no clima do “acreditar” proposto por Bonamigo. “Ele está certo, nós temos que confiar na gente”, diz o zagueiro Odvan. “Estamos acreditando”, finaliza o também zagueiro Danilo.