O Botafogo alcançou a indesejável marca de seis jogos sem vitórias no Campeonato Brasileiro ao empatar com o Cruzeiro por 1 a 1, nesta quinta-feira, no Engenhão, em partida adiada da 11.ª rodada. O técnico Estevam Soares ainda não sabe o que é vencer no comando do time alvinegro, que soma 22 pontos e abre a zona de rebaixamento, na 17.ª posição. Os mineiros chegaram aos 28 pontos, parados na 12.ª colocação.

“Perdemos um homem no início do segundo tempo e isso nos prejudicou muito. Saímos chateados, pois queríamos a vitória em casa. Mas se repetirmos a aplicação do primeiro tempo, podemos sair dessa situação”, disse o volante Leandro Guerreiro.

Os primeiros 25 minutos foram amplamente dominados pelos donos da casa. De forma até surpreendente, o Botafogo jogava bem, criava boas chances e não sofria muitas ameaças dos rivais, que pouco passavam do meio de campo.

Aos 11 minutos, Michael fez lindo lançamento para André Lima, que perdeu o ângulo no domínio e chutou em cima de Fábio, desperdiçando grande chance. Aos 20, o árbitro Héber Roberto Lopes fez lambança ao não marcar pênalti claro em Thiaguinho.

O Cruzeiro subiu um pouco de produção e passou a tocar mais a bola no campo de ataque. Foi aí que o time alvinegro abriu o marcador. Michael mais uma vez fez belo passe para Lúcio Flávio, que driblou Fábio e completou quase sem ângulo. Marquinhos Paraná tentou cortar, mas não evitou o gol, aos 32 minutos.

Todo o esforço botafoguense, porém, foi por água abaixo com três minutos da etapa final. Fahel fez falta violenta em Henrique, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Com um a mais, o Cruzeiro passou a dominar as ações, ainda que errasse muitos passes e faltasse criatividade.

Mas o empate veio em cobrança de escanteio. Gilberto cruzou, Thiago Ribeiro subiu mais que Juninho e a bola entrou no ângulo, sem chance para Castillo, aos 21. Quatro minutos depois, o Botafogo teria a oportunidade de voltar a abrir vantagem, mas a arbitragem mais uma vez atrapalhou. Thiaguinho lançou Victor Simões, na mesma linha da defesa, mas o auxiliar assinalou impedimento erradamente.

Os mineiros buscavam sua primeira vitória no Engenhão, mas o único a levar perigo era Fabrício, nos chutes de fora da área. O meia assustou aos 33, com a bola passando sobre o travessão. Aos 46, obrigou Castillo a realizar boa defesa, em outro arremate forte.

Ficha técnica

Botafogo 1 x 1 Cruzeiro

Botafogo – Castillo; Alessandro, Juninho, Emerson e Thiaguinho (Jônatas); Leandro Guerreiro, Fahel, Michael (Batista) e Lúcio Flávio; Victor Simões e André Lima (Reinaldo). Técnico: Estevam Soares.

Cruzeiro – Fábio; Jancarlos (Elicarlos), Leonardo Silva, Thiago Heleno e Diego Renan; Marquinhos Paraná, Fabrício, Henrique e Gilberto (Vinícius); Thiago Ribeiro e Guerrón (Soares). Técnico: Adílson Batista.

Gols – Lúcio Flávio, aos 32 minutos do primeiro tempo; Thiago Ribeiro, aos 21 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos – Fabrício, Jancarlos, Marquinhos Paraná (3.º) e Elicarlos (3.º) (Cruzeiro).

Cartão vermelho – Fahel (Botafogo).

Árbitro – Héber Roberto Lopes (Fifa-PR).

Renda e público – Não disponíveis.

Local – Estádio João Havelange (Engenhão), no Rio de Janeiro (RJ).