O Botafogo não informou nesta segunda-feira quem vai substituir o técnico Oswaldo de Oliveira, quarta-feira, no jogo contra o Náutico, em Pernambuco. O treinador sofreu uma arritmia cardíaca na derrota para o Grêmio, por 1 a 0, no último sábado, foi internado e recebeu alta na manhã de domingo, mas os médicos recomendaram ao menos 72 horas de repouso.

Três auxiliares continuam cotados para assumir interinamente o comando do time. Nesta segunda, no treino no campo anexo do Engenhão, Luiz Alberto, Eduardo Húngaro e Jair Ventura conversaram com os jogadores. “O Luiz é calmo e pode ser o perfil que esteja à altura do Oswaldo, até porque trabalha com ele há muito tempo. O Duda (Eduardo Húngaro) conversa muito com a gente durante os intervalos dos jogos, o Jair também. Mas se fosse pra definir um parecido com o Oswaldo seria o Luiz”, disse o volante Renato.

O volante Gabriel, que não jogou contra o Grêmio porque estava suspenso, está vetado para a partida contra o Náutico. Um exame apontou leve lesão na coxa direita do jogador, que havia sentido incômodo no local após o clássico contra o Fluminense, na semana passada. Ele não participou do treino. O meia Hyuri, que desfalcou o Botafogo nas duas últimas rodadas, treinou à parte. A participação dele na partida contra o Náutico deve ser definida na atividade desta terça.

Nesta segunda, Renato minimizou as vaias da torcida para o meia Seedorf no jogo contra o Grêmio. “Ele é muito experiente. Não é só no Brasil que ocorre isso (vaias). Se pegar o retrospecto, até o Cristiano Ronaldo já foi vaiado no Santiago Bernabéu (estádio do Real Madrid). Isso acontece. Ficam dizendo que a torcida do Botafogo é pessimista, mas isso não existe. Eles vão ao estádio e querem vitórias”.