Destaque do jogo em que o Atlético venceu o Ceará, quarta-feira, o meio-campista Branquinho dá seus primeiros passos para fazer sombra ao reinado de Paulo Baier como ídolo e maestro do Furacão em campo. O que aconteceu no intervalo da partida explica a tendência. Até o momento, o Rubro-Negro jogava muito mal e em 40 minutos os torcedores presentes já vaiavam o time. Na ida o vestiário, Paulo Baier saiu reclamando bastante da atuação do time mas, para evitar atritos com os companheiros, apontou o posicionamento como o problema. Mas sabia ele que era a última participação dele – ao menos visível – para influir no resultado. Foi substituído por Guerrón.

Nos 13 jogos sob o comando de Carpegiani, esta foi segunda vez que Baier foi substituído no intervalo. A outra foi na derrota do Vasco, mas naquela noite em São Januário o Atlético vinha de um primeiro tempo em que o juiz destruiu qualquer tentativa de vitória rubro-negra ao expulsar dois jogadores injustamente. O meio-campista foi substituído pelo volante Deivid para impedir que os vascaínos marcassem mais gols. O placar terminou para 2 x 1 o time cruzmaltino.

Como as outras duas substituições com a bola rolando aconteceram com vitória consolidada, e no final do jogo, a alteração de quarta-feira foi a primeira de ordem técnica a que Paulo Baier se submeteu. A mudança promovida por Carpegiani foi para tentar efetivamente uma mudança na maneira de atuar do Furacão.

Sem Baier na segunda etapa, e com liberdade para armar, Branquinho aproveitou a oportunidade e fez o Atlético realizar uma grande segunda etapa. Barbarizou a, até então, melhor defesa do Brasileirão, fez um gol, participou do outro, tabelou com Paulinho e Maikon Leite pela esquerda e Guerrón pela direita e arriscou por três vezes chutes ao gol. Tudo isso depois de ouvir os torcedores gritarem o nome de Paulo Baier e xingarem Carpegiani de “burro”.

Como luta pela vaga de maestro, defendeu a atuação ruim dos companheiros. “O grupo todo tem qualidade e quando um jogador não está em um dia bom, outro tem que entrar e dar conta do recado. Tem de saber aproveitar a oportunidade”, declarou o meio-campista, após a partida.

Resta saber agora se Carpegiani colocará Baier e Branquinho novamente para atuar juntos ou tentará um novo posicionamento para evitar o primeiro tempo fraco contra o Vozão. Neste caso,algo impensável até quarta-feira pode ocorrer: Paulo Baier na reserva. Uma indicação do que acontecerá é o treinamento que o elenco do Rubro-Negro fará hoje à tarde no CT do Caju, preparando-se para a partida de domingo, em Florianópolis, contra o Avaí.

No apito

Ontem foi anunciado o trio de arbitragem para o jogo contra o Avaí, às 16h, na Ressacada, em Florianópolis. O paulista Paulo César de Oliveira será auxiliado pelo também paulista Ednílson Corona e pelo tocantinense Fábio Pereira. Será a segunda vez que PC de Oliveira apita uma partida do Atlético. Na sexta rodada, ele arbitrou a vitória por 3 x 2 sobre o Botafogo, mas o lateral-direito Wagner Diniz foi expulso.