Depois de começar a quarta etapa da Volvo Ocean Race com uma rota mais ao sul, a tripulação do Brasil 1 decidiu adotar uma tática mais ousada e lançou a embarcação numa posição mais ao norte do que o restante da flotilha.

A decisão tomada pelo comandante Torben Grael e o navegador holandês Marcel van Triest fez com que o barco caísse da primeira para a última colocação.

A situação, no entanto, não preocupa os tripulantes do Brasil 1, pois eles esperam que volte a se repetir a situação do início desta etapa, quando o barco esteve em último lugar e alcançou aos poucos a liderança.

?Estamos numa estratégia de navegar mais ao norte. A princípio, devemos perder bastante agora para ganhar no futuro. Vamos ver no que dá?, comentou o timoneiro André Fonseca.

O timoneiro norueguês Knut Frostad também comentou a mudança de rota, comparando as decisões táticas dos comandantes e navegadores como um jogo de pôquer. ?A regata deve parecer bastante maluca, pois nas últimas horas trocamos de posição com o ABN 1. Fomos do extremo sul ao extremo norte e eles fizeram exatamente o contrário.?

No boletim das 13h de ontem, o ABN Amro One liderava a etapa, com cinco milhas de vantagem sobre o Piratas do Caribe e 12 sobre o movistar, segundo e terceiro colocados. O Ericsson ocupava a quarta colocação, a 26 milhas do líder, seguido do ABN Amro Two, a 54, e do Brasil 1, a 63 milhas náuticas.