Berlim – Se nenhuma surpresa nas Eliminatórias impedir, o Brasil abrirá a Copa do Mundo da Alemanha, no dia 9 de junho de 2006, em Munique. O comando da seleção alemã anunciou neste domingo que vai ceder aos atuais campeões o direito de jogar a partida inaugural do torneio.

A tradição do defensor do título abrir o mundial seguinte começou em 1974, em situação idêntica à do próximo mundial: a Alemanha era anfitriã e o Brasil vinha do tri no México. Na ocasião, a seleção deu a largada à Copa empatando sem gols com a Iugoslávia, em Frankfurt. No final, o Brasil foi quarto e a Alemanha, campeã.

A dúvida sobre quem abriria a Copa de 2006, porém, surgiu em razão da mudança no sistema de classificação imposta pela Fifa. A partir deste mundial, o atual campeão não tem mais vaga automática como tinha, o que obrigou o Brasil a disputar as Eliminatórias. O ex-jogador alemão Oliver Bierhoff, gerente da seleção germânica, acabou ontem com essa dúvida.

“Deixaremos caminho livre ao Brasil”, disse Bierhoff. “Os atuais campeões poderão abrir o torneio.” Assim, a Alemanha, cabeça-de-chave do Grupo F, deve estrear em 12 de junho, três dias após a abertura, na capital Berlim, palco também da final, em 9 de julho.

Ao Brasil basta garantir a vaga nas Eliminatórias – é o atual líder da zona sul-americana – para confirmar presença na abertura da Copa. Confirmanda, a seleção será cabeça-de-chave do Grupo A e, após a estréia em Munique, deve jogar no dia 14, em Dortmund, e no dia 20, em Berlim. O sorteio que definirá os grupos da Copa está programado para dezembro de 2005.

Fifa

O suíço Joseph Blatter, presidente da entidade que rege o futebol mundial, admitiu ontem que pode rever o sistema das datas oficiais da Fifa para os jogos de seleções. A idéia em estudo seria inverter os dias das rodadas duplas. Em vez de um jogo no sábado e outro na quarta, a primeira data seria sempre uma quarta e a segunda, um sábado. A mudança, que será discutida em uma reunião da Fifa marcada para outubro, daria mais tempo para os jogadores se recuperarem antes de voltarem a atuar por seus clubes.

Outra novidade anunciada por Blatter é um acordo com o Comitê Olímpico Internacional para incluir mais duas seleções no torneio olímpico de futebol feminino. A partir de 2008, em Pequim, serão 12 seleções, em vez das dez de Atenas.