Kamke está na semifinal da
perseguição individual de hoje.

Aetapa quartas-de-final da prova de velocidade masculina (200 m) foi responsável pela alegria e pela tristeza da seleção brasileira de ciclismo, na tarde de ontem, durante a abertura da competição de pista dos Jogos Sul-americanos, em Curitiba. Róbson Batista da Silva garantiu presença na semifinal ao derrotar o argentino Lucas Perreti. O brasileiro enfrenta agora o venezuelano Hector Rodriguez. A outra semifinal será disputada entre o também venezuelano Alexander Cornieles e o chileno Luis Münoz, que foi beneficiado com a desistência do ciclista brasileiro Diogo Bonini. Ambos envolveram-se em um acidente logo no início da bateria. Münoz escorregou e derrubou Bonini, que foi atendido no local e encaminhado diretamente para o hospital Vita. O atleta teve uma fratura maxilar e diversos ferimentos no rosto. A equipe médica não constatou trauma neurológico.

Desempenho

Na prova de perseguição individual, Rogério Kanke e Armando Camargo conseguiram bons tempos e são as apostas do Brasil na briga por uma vaga na final. No feminino, as venezuelanas Daniela Larreal e Angie Gonzáles confirmaram o favoritismo e não deram chances para as meninas brasileiras. Na semifinal elas enfrentam, respectivamente, a equatoriana Ana Padilha e a argentina Jessica Compiano. Apesar da eliminação da equipe feminina, o técnico brasileiro Iverson Ladewig gostou do primeiro dia da competição. “O nível do feminino é muito forte. Por isso acho que valeu o empenho das meninas”. O treinador também lamentou o acidente com Bonini. “Ele é um garoto novo que estava vindo muito bem. Mas felizmente não foi nada grave”. As provas de pista tem continuidade hoje.

Bonini passará por cirurgia

O brasileiro Diogo Bonini Marques, que se acidentou ontem, na abertura das competições de ciclismo, passa bem. O atleta de 21 anos sofreu uma queda quando disputava as oitavas-de-final da prova de 200m velocidade, mas foi logo atendido pela equipe médica do local e imediatamente transferido para o Hospital Vita. Após exames traumatológicos e neurológicos, os médicos tranqüilizaram a todos, assegurando que o estado geral do ciclista é bom. Ele sofreu fratura na mandíbula, que terá que ser corrigida com uma cirurgia nas próximas 48 horas, e ferimentos no rosto. “Tão logo o Diogo chegou ao hospital, foi atendido pelos setores de ortopedia, neurocirurgia e traumatologia crânio-facial. Os primeiros exames constataram uma fratura da mandíbula do lado direito. Já as múltiplas feridas na face foram logo suturadas”, declarou o médico Leovanil Stange. O neurocirurgião Sílvio Machado disse que o ciclista não apresenta qualquer sinal de lesão neurológica. Diogo não perdeu os sentidos em qualquer momento e conversa normalmente. “Ele só tem um pouco de dificuldade para falar devido à fratura. No mais, seu quadro é bom”, comentou o médico. O atleta vai ficar internado no Hospital Vita. “48 horas é o tempo necessário para que possamos operá-lo”, explicou o doutor Leovanil, adiantando que, mais tarde, o atleta terá de se submeter também a um tratamento dentário. O caso está sendo acompanhado de perto pelo chefe de missão do Brasil, Marcus Vinícius Freire, que já providenciou a chegada da mãe do atleta, Valquíria Bonini, para acompanhar Diogo durante o período de internação. Ela está sendo trazida de Assis interior de São Paulo, acompanhada de uma amiga, e chega a Curitiba por volta das 19h30. “Nossa experiência em acidentes desse tipo, nos mostra que as primeiras horas são as mais preocupantes. Esse período ele já superou”, disse Marcus Vinícius. O treinador Iverson Ludwig lamentou o acidente com Diogo.

O ciclista havia garantido o quinto melhor tempo na fase anterior e era uma das esperanças de medalha do Brasil na prova.