Não falta confiança, nem mesmo uma boa dose de otimismo, na equipe brasileira da Copa Davis, que neste fim de semana, disputa com o Paraguai uma vaga para o play-off do grupo Mundial, na Costa do Sauípe, na Bahia. O técnico Carlos Chabaltoity, o Chapecó, está certo da possibilidade de vitória e não acredita em surpresas. “Estamos com um time que pode ganhar até mesmo por 3 a 0”, afirmou o técnico.

Costa do Sauípe, BA (AE) – Apesar de todo esse otimismo, Chapecó preferiu usar do mistério como uma de suas armas para o confronto e não anunciou o nome dos titulares. O sorteio dos jogos será hoje às 10h no Hotel Sofitel, mas como o treinador brasileiro antecipou que não pretende usar um tenista em três partidas, praticamente revelou suas intenções. Marcos Daniel e Júlio Silva ficam para os jogos de simples, na rodada de abertura, e Alexandre Simoni forma a dupla, no sábado, ao lado do Josh Goffi, brasileiro radicado nos Estados Unidos.

O time do Paraguai não fez mistérios. Mas, na realidade, o técnico Victor Pecci não tem mesmo muito a esconder. Conta com Ramon Delgado, seu grande nome para buscar os pontos nas partidas de simples e ele também deve formar a dupla ao lado de Paulo Carvalho. O segundo simplista paraguaio será Francisco Rodrigues.

Sem segredos, o confronto Brasil x Paraguai teria no primeiro dia Marcos Daniel diante de Francisco Rodrigues e Júlio Silva contra Ramon Delgado. Só falta definir a ordem das partidas, no sorteio de hoje.

Desafio

Para o time brasileiro que entrou na Davis em razão do boicote das principais estrelas, o discurso já está afiado. Todos sempre sonharam com uma chance na Davis e agora estão mais do que motivados para o desafio.

Marcos Daniel disse que até desistiu de alguns torneios em seu calendário, justamente para poder realizar uma boa preparação.

No Sauípe, desde quarta-feira da semana passada, fez treinos exaustivos e contou ter simulado um jogo em cinco sets com Júlio Silva, com 4h10 de duração. Não falou quem ganhou.

“De físico estou bem. Optei por não jogar alguns torneios, justamente para não me desgastar. Estou bastante motivado para jogar e defender meu País. Sei que não foi a melhor forma de entrar no time, mas agora quero fazer o meu melhor.”

Também Alexandre Simoni seguiu na mesma linha, dizendo que se sentia orgulhoso em defender o Brasil, enquanto Júlio Silva torce por um bom desempenho de todos, mas garante estar pronto para jogar. Até Josh Goffi chegou para a entrevista com algumas frases em português – embora tenha nascido no Brasil, só fala inglês – e disse que se sentiu honrado com o convite para integrar a equipe da Davis.” É uma das minhas maiores glórias na minha vida no esporte.”