O judô brasileiro conquistou mais sete medalhas no Pan-American Open de San Salvador, neste domingo, em El Salvador. Com as quatro que havia garantido no sábado, no primeiro dia da competição, a equipe, uma espécie de seleção C, terminou o Open com 11 medalhas, no terceiro lugar do quadro de medalhas.

Isso porque oito dessas medalhas foram de bronze. Só neste domingo ficaram em terceiro Claudirene Cezar (+78kg), Bárbara Timo (até 70kg), Ruan Silva (+100kg), Renan Nunes (até 100kg) e Eduardo Bettoni (até 90kg).

O único ouro do dia veio com Walter Santos. O peso pesado estava sem lutar desde o ano passado, perdeu o Mundial do Rio por lesão e só voltou a competir em Havana, semana passada. Em El Salvador, só precisou fazer três lutas para garantir a medalha. Já Ruan Silva, de 20 anos, competiu pela primeira vez entre os adultos e faturou o bronze após três vitórias em quatro confrontos.

Na categoria até 100kg, João Gabriel Schlittler ganhou dois confrontos até chegar à semifinal contra o também brasileiro Renan Nunes. O medalhista de bronze no Mundial de 2007, voltando à seleção, ganhou o confronto nacional e acabou com a prata, derrotado por Flávio Orlik, da Suíça. Renan ficou com o bronze.

Eduardo Bettoni caiu nas quartas de final, mas conseguiu se recuperar na repescagem para terminar em terceiro. Já na até 81kg, Gustavo Assis, Ricardo Serrão e Milton Miranda perderam logo na estreia. A categoria não tem um terceiro nome para fazer sombra a Leandro Guilheiro e Victor Penalber e os três estavam sendo testados.

Entre as mulheres, Claudirene Clezar, de 28 anos, voltou à seleção com uma medalha de bronze. Ela só precisou vencer uma luta para chegar à semifinal, perdeu ali de uma mexicana, mas se recuperou na repescagem. Exatamente o mesmo caminho fez Bárbara Timo na até 70kg.