Kaká passa pela marcação de Paredes.

Mesmo contando com o trio Kaká, Ronaldinho Gaúcho e Ronaldo, a seleção brasileira não conseguiu passar de um empate sem gols ontem à noite, contra o Paraguai, no estádio Defensores del Chaco, em Assunção. Com o resultado, o Brasil não conseguiu alcançar a líder Argentina (11 pontos), figura ainda atrás do Paraguai (10 pontos) e, está em terceiro, mesmo tendo o mesmo número de pontos da Venezuela – que ontem surpreendeu o Uruguai vencendo por 3 a 0, em pleno estádio Centenário -, mas soma uma vitória a menos que os venezuelanos (duas do Brasil contra três do quarto colocado nas eliminatórias).

O próximo compromisso da seleção brasileira pelas eliminatórias será no dia 2 de junho, contra a líder Argentina, no Mineirão. Para esse jogo, o técnico Carlos Alberto Parreira não contará com o volante Gilberto Silva, que recebeu o terceiro cartão amarelo ontem. Pior: há quatro jogos que o Brasil não sabe o que é vencer.

O jogo

Após apenas dois minutos de jogo, faltou energia elétrica e o estádio ficou às escuras. Foram necessários 32 minutos para o retorno da iluminação. Quando a bola voltou a rolar, a pane foi nas equipes, que protagonizaram um primeiro tempo de muita pegada, sem lances bonitos.

No lado brasileiro era a visível falta de entrosamento. Além dos inúmeros passes errados, o trio Ronaldo, Ronaldinho e Kaká centralizava demais as jogadas facilitando a marcação paraguaia, comandada pelo experiente Gamarra. Para complicar, os laterais Roberto Carlos e Cafu não estavam em noite inspirada no apoio e permaneciam no campo defensivo, sem opção para abertura das jogadas.

No lado paraguaio, nada de novo. As principais tentativas eram provenientes do jogo aéreo, sempre buscando o atacante Roque Santa Cruz, a referência na área. Entretanto, apesar das deficiências da defesa brasileira, o jogo paraguaio era neutralizado.

De fato, as melhores oportunidades vieram da esquerda e a mais aguda, aos 45 minutos, em um chute da entrada da área de Roberto Carlos. Mas a bola bateu na rede pelo lado de fora.

Na segunda etapa, as equipes voltaram mais dispostas e o jogo ficou mais aberto. O Paraguai passou a tomar a iniciativa e tentar tocar a bola com mais agilidade e o Brasil apostava nos contra-ataques para tentar surpreender o adversário. Na tentativa de dar maior mobilidade ao setor de armação, Parreira optou por sacar Renato e escalar Juninho Pernambucano. No entanto, apesar da movimentação, as finalizações não foram eficientes e a partida terminou sem gols.

ELIMINATÓRIAS DA COPA
Local: Defensores del Chaco (Assunção)
Árbitro: Oscar Ruiz (Colômbia)
Assistentes: Dember Perdomo e Eduardo Bottero (Colômbia)
Cartões amarelos: Toledo, Ronaldo, Gilberto Silva, Ronaldinho Gaúcho e Paredes.

PARAGUAI
0X0
BRASIL

PARAGUAI
Tavarelli, Arce, Cáceres (Da Silva), Gamarra, Caniza, Bonet (Ortiz), Enciso, Paredes, Toledo (Campos), Cardozo, Santa Cruz. Técnico: Aníbal Ruiz

BRASIL
Dida, Cafu, Roque Júnior, Lúcio, Roberto Carlos, Gilberto Silva, Renato (Juninho Pernambucano), Zé Roberto, Ronaldinho, Kaká, Ronaldo. Técnico: Carlos Alberto Parreira