Não foi um futebol vistoso como em outras rodadas, com belas jogadas, tabelas e golaços. Desta vez, o individualismo tomou conta, fazendo os erros surgirem com frequência. Mas teve um futebol ofensivo, consistente e um time com personalidade. E também um Philippe Coutinho inspirado, que entrou no segundo tempo pra mudar o confronto. Foi assim que o Brasil derrotou o Equador por 2×0, nesta quinta-feira (31), com gols de Paulinho e do próprio Coutinho, e garantiu a liderança das Eliminatórias para a Copa do Mundo, com 36 pontos, e ainda faltando três rodadas.

O próximo compromisso da seleção será na terça-feira (5), quando encara a Colômbia, às 17h30, em Barranquilla.

Confira como foi o jogo no Tempo Real da Tribuna!

O Brasil começou o jogo indo para cima. Querendo manter a sequência de vitórias, a seleção buscava atacar toda vez que tinha a bola nos pés e teve um bom início. Aos sete minutos, Paulinho ganhou a dividida, invadiu a área driblando três marcadores e chutou cruzado, mas mandou para fora. Aos nove, Neymar achou Willian livre pelo meio. O camisa 19 dominou e chutou ao lado da trave esquerda do goleiro Banguera.

Só que depois o ritmo caiu. Diante de uma forte marcação do Equador, que algumas vezes passava do limite, com entradas mais duras, e muita cera do adversário, que a cada tiro de meta ou lateral demorava muito tempo pra repor a bola, a seleção brasileira já não conseguia criar boas chances e ficava presa no meio-campo, sem girar a bola e tocando mais de lado.

Com um Neymar nada inspirado, e também cometendo faltas, o time de Tite, por um momento, teve a defesa como ponto forte, com algumas subidas equatorianas, mas também sem levar perigo. Duelo truncado, que incomodou alguns torcedores, que pediam Luan, do dono da casa Grêmio. Ao mesmo tempo, aos 32, Gabriel Jesus foi lançado, girou em cima do zagueiro e chutou, mas Banguera fez a defesa.

No segundo tempo o cenário se repetiu, com o Brasil começando mais agressivo, indo para cima, e o Equador esperando uma oportunidade no contra-ataque. Só que as decisões erradas dos jogadores da seleção acabavam prejudicando o desempenho ofensivo.

Muitas jogadas individuais, principalmente de Neymar, que não estava bem em campo, tentando mais dribles do que toques em velocidade, atrapalhavam o coletivo. Tanto que quando o Brasil pensou como time, quase abriu o placar. Aos 11, Daniel Alves cruzou na área e Gabriel Jesus cabeceou, exigindo boa defesa de Banguera.

Na tentativa de ocupar mais os espaços próximo da área, Tite tirou Renato Augusto e colocou Philippe Coutinho, deixando o Brasil com um armador e dois jogadores abertos pelos lados, Willian e Neymar, que até então eram os responsáveis por criar as jogadas, mas pecavam justamente no individualismo.

Junto com Coutinho, parece que entraram em campo também a velocidade e a vontade. A seleção rondava a área, mas não finalizava, preferindo o último drible ao chute. Então teve que um jogador lá de trás, mas que vem sendo decisivo, se vestir de matador e marcar o gol. Aos 23, após cobrança de escanteio de Willian pela direita, a bola parou nos pés de Paulinho, que, na pequena área, dominou e chutou forte, marcando o seu quinto gol nas Eliminatórias.

A partir daí, o Brasil acordou de vez e melhorou signficativamente. Willian e Neymar, logo após o gol e no mesmo lance, tiveram duas oportunidades, mas pararam nas boas defesas de Banguera.

Só que, em seguida, aos 30, enfim o Brasil mostrou a habilidade e a alegria que vinha apresentando até então. Coutinho começou a jogada e lançou Gabriel Jesus, que dentro da área deu um chapéu no marcador e, de cabeça, devolveu para Coutinho pegar de primeira e mandar para as redes, fazendo 2×0. Um golaço, que decretou o resultado na Arena Grêmio.

FICHA TÉCNICA

ELIMINATÓRIAS
2º Turno – 15ª Rodada

BRASIL 2X0 EQUADOR

Brasil
Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda (Thiago Silva, intervalo) e Marcelo; Casemiro, Paulinho, Renato Augusto (Philippe Coutinho, 13 do 2º), Willian (Luan, 39 do 2º) e Neymar; Gabriel Jesus.
Técnico: Tite

Equador
Banguera; Velasco, Arboleda, Achilier e Ramírez; Quiñónez, Noboa, Gaibor (Cazares, 28 do 2º), Antonio Valencia e Fidel Martínez (Marcos Caicedo, 33 do 2º); Énner Valencia (Felipe Caicedo, 28 do 2º).
Técnico: Gustavo Quinteros

Local: Arena Grêmio (Porto Alegre-RS)
Árbitro: Mário Díaz de Vivar (PAR)
Assistentes: Milciades Saldivar (PAR) e Rodney Aquino (PAR)
Gols: Paulinho, 23, Philippe Coutinho, 30 do 2º
Cartões amarelos: Neymar, Gabriel Jesus e Marcelo (BRA); Fidel Marrtinez, Velasco (EQU)
Público total: 36.869
Renda: R$ 7.886.450,00