Ulsan (AE) – Os jogadores brasileiros têm se queixado da pouca benevolência dos críticos, mesmo com duas vitórias e a classificação confirmada. Como consolo, receberam ontem a informação de que a seleção passou a liderar as cotações nas casas de apostas de Londres, as mais famosas do mundo. Segundo os “bookmakers” britânicos, se o time de Felipão for campeão do mundo, os investidores receberão 3 libras esterlinas para cada uma depositada nos guichês. A Espanha, primeira a garantir vaga para as oitavas-de-final, vem em seguida, com 9 por 2. A Itália paga 6/1, mesma quota da Inglaterra. Já Alemanha surge em quinto, com 8/1.

“Isso é sinal de que agora confiam mais”, admitiu ontem o lateral Cafu. O capitão brasileiro não entrou nem no bolão dos jogadores, mas diz que no fim da Copa os que não acreditaram no Brasil vão se dar mal. “Acho que eles vão chorar por não terem apostado na gente.” A alta não surpreende o craque da Roma. “É conseqüência da garra, da vontade e da qualidade que mostramos até aqui. Fico feliz com essa virada.” O Brasil corria por fora, até semanas antes do mundial e a desconfiança foi provocada pelos resultados ruins nas eliminatórias e pela polêmica em torno de Romário.

Depois das vitórias iniciais, os apostadores resolveram arriscar no time tetracampeão. “Nosso trabalho fica valorizado”, festejou Rivaldo, outro que se ressente muito das restrições a seu estilo. “Estamos no caminho certo.” Roque Júnior segue a linha de raciocínio dos companheiros. O zagueiro do Milan vê a alteração como desdobramento natural das vitórias, da vaga e do prestígio do Brasil.

“Há seleções tradicionais que enfrentam dificuldade e isso influi também”, recordou. Itália, França, Uruguai, Portugal, Argentina e até Alemanha caíram na cotação dos viciados em apostas porque correm risco de ficar fora da próxima fase. Para quem quiser fazer uma fezinha, algumas casas londrinas têm até sites em internet.