Goleiro conhecido mais por ter participado do Big Brother do que por sua defesas, Giuliano Ciarelli, goleiro do Madureira carioca. Artilheiro, falastrão e andarilho, autor de muitos gols por times como Corinthians e Botafogo e até pela seleção, Túlio Maravilha. Longas viagens de ônibus por estradas tão esburacadas quanto certos gramados. Sorteio de motos para atrair torcedores.

A Série C do Brasileiro começa hoje com algumas atrações – como o inacabável Túlio Maravilha – e perspectivas de muitas aventuras. São 64 clubes de todos os cantos do País, seis deles de São Paulo, em busca das quatro vagas de acesso à Série B em 2008. Três deles são do Paraná: Paranavaí e Roma Apucarana estão no Grupo 15, e o Adap Galo no grupo 16, e estréiam amanhã.

Competição que certamente agradará a Dunga, técnico da seleção brasileira, pois nela vale muito mais a força do que a técnica, a Série C também tem seus times grandes. Guarani, campeão da Série A, em 1978 e 86, Bahia, campeão em 88, e América do Rio tentam dar o primeiro passo para um dia retornarem à elite. A Série C é um reflexo do Brasil, onde o Sul é mais bem-estruturado que o Norte. Lá, os clubes se viram como podem para chamar público. O Rio Branco do Acre promete sortear motos de 100cc para quem for ao seu estádio.

O São Raimundo de Roraima é mais modesto: pretende sortear bolas camisas, CDs, DVDs e até bicicletas.

A disputa terá quatro fases. Nas três primeiras, com 16, 8 e 4 chaves, respectivamente, os times jogam entre si, dentro dos grupos, em dois turnos. Classificam-se sempre os dois melhores das chaves. A última fase será octogonal, em turno e returno. Sobem os quatro primeiros colocados.