A empresa argentina Global Sports Rights Management (GSRM) venceu a concorrência pelos direitos internacionais do Brasileirão Séries A e B (TV aberta, TV fechada, Pay Per View, internet e OTT/streaming), anunciou a CBF nesta sexta-feira (17). Assim que for validado, o contrato terá duração de quatro temporadas, até 2023.

Os valores não foram divulgados oficialmente, mas a garantia mínima gira em torno de US$ 40 milhões de dólares – cerca de R$ 209 milhões, com divisão de receita por performance de vendas. A proposta conjunta das empresas Zeus Sports Marketing e Stats Perform, por outro lado, foi a escolhida para direitos internacionais para streaming for betting, transmissões em sites de apostas.

Agora, em uma segunda fase, as empresas apresentarão as garantias financeiras e serão avaliadas quanto às normas de governança. Caso aprovadas, os contratos serão assinados.

De acordo com a CBF, a definição dos vencedores levou em conta o modelo de negócio em relação às formas de distribuição do produto, experiência em projetos desta natureza, sistema de remuneração dos clubes e capacidade de inovação na área tecnológica. Ao todo, seis companhias participaram do processo pelos direitos internacionais de televisão.

A reportagem apurou que os times da Série A ficariam com 75% do valor, com divisão igualitária entre eles. O montante individual estimado é de aproximadamente R$ 2,6 milhões por ano. Os representantes da Série B levariam 20%, enquanto os times da Série C teriam 5% do valor total.

+ Mais do Futebol:

+ Athletico, Coritiba e Paraná conseguem manter atletas por mais de um ano?
+ Os bastidores da posse de Petraglia no Athletico em 1995
+ Jogadores e comissão técnica do Coritiba arrecadam toneladas de alimentos