Portimão, Portugal – Sob festa, 510 veículos partiram neste sábado de Lisboa, do distrito de Alcacer-do-Sal, para os primeiros 117 quilômetros do Rali Dacar, a prova mais tradicional e perigosa do mundo na categoria. Na primeira etapa até Portimão, o português Rubén Faria, com uma Yamaha e o tempo de 1h22min07s, venceu entre as motos. Já a dupla luso-alemã formada pelo piloto Carlos Sousa e o navegador Andreas Schulz, a bordo de um Volkswagen, foi a primeira a chegar entre os carros, em 1h20min38s.

Os brasileiros tiveram um desempenho razoável no primeiro dia do Dacar. Como as motos foram as primeiras a deixar Lisboa, a categoria teve todos os competidores chegando ao final da etapa ainda pela manhã. Jean Azevedo, da Petrobras/Lubrax, foi o melhor colocado do País com o 29.º lugar, a 13min19s do vencedor. Dimas Mattos terminou em 48.º, Sylvio Barros, em 88.º, e Carlos Ambrósio, em 170.º.

Segunda etapa

O espanhol Carlos Sainz (Volkswagen) venceu neste domingo a segunda etapa de carros do Rali Dacar, de 67 quilômetros, com uma vantagem de 29 segundos sobre seu compatriota Nani Roma e o francês Luc Alphand, ambos com Mitsubishi.

Sainz ocupa agora a segunda posição geral, a 45 segundos do português Carlos Sousa, em primeiro, que neste domingo ficou em nono. Em terceiro vem o sul-africano Giniel de Villiers, a 2min12s de Sousa, e em quarto está Roma, a 3min29s do líder.

Os participantes agora partirão rumo à África.

Susto

A dupla brasileira Klever Kolberg e Eduardo Bampi tomou um susto neste domingo na mais curta etapa do Rali Dacar. Os pilotos perderam aderência em uma curva, tiveram seu carro tombado, mas mostraram versatilidade, ao levar apenas 15 minutos para desvirar o veículo e continuar a prova.

?Em uma curva bem dura, que tinha forte erosão, acabamos tombando?, explicou Kolberg, que sabe que o incidente prejudicou bastante a dupla, colocando-a em 75.º lugar na etapa, com a 29.ª colocação na geral.