Ricardo e Emanuel conseguiram seu segundo título consecutivo no Swatch-FIVB Worl Tour -Circuito Mundial de Vôlei de Praia 2003, que os colocou em primeiro lugar no ranking mundial. Desta vez, o triunfo foi no grand slam de Marselha, na França, após uma difícil final contra os irmãos suíços Paul e Martin Laciga, derrotados por 2 a 1 (21/18, 20/22 e 15/13), após uma hora de jogo. No feminino, Ana Paula e Sandra sofreram sua segunda derrota no Circuito, mais uma vez em uma final contra as campeãs em 2002, Walsh e May, dos Estados Unidos. As brasileiras não repetiram sua boa atuação nas partidas anteriores e perderam por 2 a 0 (21/10 e 21/13).

Adriana Behar e Shelda chegaram a sua quarta medalha de bronze na temporada, superando a campeã olímpica Natalie Cook e sua parceira Sanderson, da Austrália, por 2-0 (21/18 e 21/14). No masculino, o campeão olímpico Dain Blanton e seu parceiro, Jeff Nyuggard, ficaram com o terceiro lugar, após baterem os alemães Dieckmann e Scheuerpflug de virada, por 2 a 1 (19/21, 21/15 e 15/8). O Brasil segue dominando na competição, com quatro vitórias no masculino e três no feminino, em cinco etapas disputadas. Os Estados Unidos têm um título no masculino e dois no feminino.

Marselha é velha conhecida do baiano Ricardo e do paranaense Emanuel. O soteropolitano já venceu quatro vezes a etapa marselhesa, enquanto o curitibano coleciona três títulos na cidade. Emanuel, que já tem ao todo 38 títulos no Circuito Mundial, foi eleito o melhor jogador do torneio, após a vitória na final de ontem. “Foi uma final muito difícil, como de costume. Estávamos atrás no tie-break e, aí, decidimos pedir um tempo técnico, quando estava 8 a 5 para eles, eu acho, e conversamos sobre jogar melhor como uma equipe. Eu senti que estávamos nos separando e não jogando suficientemente juntos. O nosso poder está no jogo em dupla e depois do tie-break eu senti que voltamos a jogar como um time”, revelou Emanuel. Os brasileiros tiveram dificuldades, em grande parte, porque a dupla suíça é considerada uma especialista em jogos com vento forte, como o que tomou conta da arena francesa em toda etapa.

“O jogo deles se encaixa bem com o vento, por causa da sua rapidez. O vento dificultou muito em alguns momentos e eu acho que as duas equipes mostram uma ótima técnica de controle de bola. Foi um grande jogo, equivalente a quando eu os venci aqui no Campeonato Mundial de 1999, jogando como Loiola. Esta vitória nos ajudou a avançar em direção aos nossos objetivos. O principal é assegurar uma vaga nas Olimpíadas de Atenas. O segundo é terminar em primeiro lugar no ranking do Circuito Mundial”, analisou Emanuel.

Ricardo, que conseguiu seu 18.º título em etapas do Circuito Mundial, ganhou ainda o prêmio de saque, mais rápido, com 92,6 km/h. “O vento não me incomoda e eu me sinto muito confortável aqui em Marselha”, comentou Ricardo, que chama a atenção da imprensa internacional por seu jeito quieto e, principalmente, pela força do seu bloqueio, que o leva a ser chamado de “block machine”.

A próxima etapa do Circuito Mundial acontece em Espinho, em Portugal, de julho, apenas na categoria masculina. Depois, o grand slam austríaco, em Klangefurt.