Embora o Santos tenha ficado longe de empolgar o seu torcedor em suas últimas partidas, assim como ficou claro no clássico diante do Corinthians, domingo passado, no Morumbi, onde os dois times empataram por 0 a 0, o lateral-direito Bruno Peres saiu em defesa da equipe e do técnico Muricy Ramalho nesta terça-feira.

O jogador ressaltou que o time santista ocupa hoje a quarta posição do Campeonato Paulista, apenas quatro pontos atrás do líder São Paulo, e por isso considera as críticas às últimas atuações um pouco exageradas. “A equipe não vem apresentando um mal futebol, senão não estaríamos entre os primeiros colocados. As coisas vão melhorar, vão se encaixar e tendem a mudar o mais rápido possível”, disse o atleta, em entrevista coletiva no CT Rei Pelé, reconhecendo também que o Santos precisa evoluir nas próximas partidas.

Já ao falar sobre Muricy Ramalho, cuja possibilidade até de demissão começou a ser especulada por causa da irregularidade exibida pela equipe, Bruno Peres exaltou o currículo do comandante, que apenas no Santos foi campeão paulista nos últimos dois anos e faturou a Copa Libertadores de 2011 e a Recopa Sul-Americana de 2012.

“Nós sabemos que o Muricy é um grande treinador. Se você olhar o histórico dele, ele ganhou tudo nos últimos anos. Muitas vezes a imprensa e a torcida acabam falando coisas que não podem falar, mas temos um ambiente muito bom e ele passa para nós que temos que continuar a vencer e tudo tende a ser muito melhor para nós”, completou o lateral.

O jogador também garantiu ter encarado com naturalidade o fato de que Muricy optou pela escalação de Galhardo como titular da lateral direita no clássico com o Corinthians. No decorrer do jogo, porém, Bruno Peres entrou na equipe santista no lugar do companheiro de equipe. E ele vê hoje uma disputa sadia por um lugar no time.

“Profissionalmente, a gente não procura conversar sobre isso (briga pela posição). Procuramos conversar sobre outras coisas. Muricy optou pelo Galhardo e acreditou que ele estivesse melhor. Por isso, temos que trabalhar para poder ajudar da melhor forma quando necessitar”, opinou.