Bruno Senna foi o destaque de ontem em Spa-Francorchamps. Conseguir um sétimo lugar no grid com um carro que mal conhece, numa condição difícil de pista úmida, já na frente do companheiro de equipe na prova de estreia.

Foi um começo muito bom, na Renault. O brasileiro parte da quarta fila ao lado de Alonso, o oitavo, o que vai lhe permitir, com uma largada segura, se manter entre os primeiros colocados nas primeiras voltas e, a partir daí, montar sua corrida. Pensar nos pontos no GP da Bélgica, a 12.ª etapa do Mundial de F-1, está absolutamente dentro da realidade, o que seria um grande resultado.

Outro nome que deve ser lembrado é o de Alguersuari, ainda melhor que Bruno, em sexto com a Toro Rosso. Excepcional desempenho, num Q3 maroto, que viu o asfalto secando rapidamente, a ponto de ter sido a única parte da classificação em que foram usados pneus slicks. E um jogo só, porque em Spa, circuito muito longo, não dá nem tempo de trocar.

Vettel fez a pole com 1min48s298. Foi a nona em 12 corridas, e a Red Bull continua com todas as poles da temporada. O alemão tem 24 poles na carreira, agora.

Empatou com Lauda e Piquet. Hamilton, que se estranhou com Maldonado no Q2, é o segundo no grid. Tomou meio segundo de Vettel, mas nesse tipo de situação, com a pista mudando drasticamente de volta para volta, as diferenças não são reais.

Dependem muito do momento exato em que a volta foi fechada. Webber em terceiro, Massa num bom quarto lugar e Rosberg fecharam os cinco primeiros. Bruno, na primeira parte do treino, ficou com um ótimo sétimo lugar: 2min05s047, contra 2min05s292 de seu companheiro Petrov, o nono.

O mais rápido foi Button, 2min01s813. Todos usaram pneus intermediários, que também foram necessários no Q2, que teve Alonso em primeiro, com 2min02s768.

Bruno conseguiu levar o carro ao Q3, excelente, com 2min04s452, em sétimo. Largar entre os dez logo de cara é um resultado notável. A previsão para hoje é de pista seca.

Mas é raro, e isso não é clichê, um GP normal em Spa. Sempre tem uma chuvinha, um trecho que molha, outro que seca. É evidente que todos no Brasil vão estar muito atentos ao primeiro-sobrinho.

E diante de sua posição no grid, não é sem justificativa. Ele pode fazer uma ótima prova, com um carro que pontuou em 10 das 11 corridas disputadas até agora. Tem a chance de começar efetivamente com o pé direito sua trajetória numa equipe de verdade e provar que é mais do que apenas um sobrenome bonito.

Webber renova

É o fim de mais uma brecha para especulações: Mark Webber fechou acordo por mais um ano com a Red Bull, o que o mantém como companheiro de Sebastian Vettel pelo menos até o fim de 2012. O anúncio foi feito ontem na Bélgica.