A votação do relatório da Medida Provisória que estabelece regras de responsabilidade fiscal e de refinanciamento da dívida dos clubes de futebol foi novamente adiada nesta quinta-feira. O presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que a MP entrará na pauta na próxima terça, na sessão ordinária. Cunha também quer analisar na semana que vem o segundo turno da reforma política.

Antes mesmo de a votação ser adiada, dirigentes de clubes e da CBF haviam obtido outra vitória. Eles pressionaram o relator da MP do futebol, o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), a aumentar o porcentual de gastos permitido aos clubes para pagamento de salários. Na primeira versão, o limite era de 70% da receita bruta anual. Agora, passa a 80%.

Essa alteração não deve contrariar o governo que já se manifestou a favor do texto e pretende trabalhar pela aprovação. Deputados ligados à “bancada da bola” e aliados da CBF ainda podem se articular para evitar a votação da medida provisória.

A tática é a de invalidar a MP pela expiração do prazo de tramitação no plenário da Câmara. As duas Casas têm até o dia 17 deste mês para votar a medida provisória.