Campeã olímpica em Londres, Jessica Ennis-Hill se afastou do esporte para se tornar mãe, voltou às competições apenas em maio, mas segue como a melhor do mundo. A britânica confirmou o favoritismo para faturar neste domingo a medalha de ouro no heptatlo no Mundial de Atletismo, disputado no Ninho do Pássaro, em Pequim (China).

Ennis-Hill, de 29 anos, foi campeã mundial pela primeira vez em 2009, ficou com a prata em 2011 e não participou da competição em 2013, quando estava afastada do esporte. Em Pequim, somou 6.669 pontos, ficando ainda expressivamente aquém do resultado que lhe deu o ouro olímpico: 6.955.

A alemã Carolin Schäefer, atual campeão mundial júnior, brigava pela liderança com a britânica até a quinta das sete provas do heptatlo, mas queimou suas três tentativas no salto em distância e acabou desistindo da competição, depois de cair para a última posição.

Em paralelo, a canadense Brianne Thiese Eaton cresceu na prova e chegou aos 800m em condições de faturar o título mundial. Precisava chegar pouco à frente da britânica, liderou a prova, mas foi ultrapassada na reta de chegada, com relativa facilidade.

Mesmo assim Brianne faturou a prata para o Canadá, com 6.554 pontos. A Letônia ficou com o bronze, graças aos 6.516 pontos de Laura Ikauniece-Admidina. No total, 15 atletas passaram de 6.200 pontos e atingiram o índice olímpico.

A brasileira Vanessa Chefer, bronze no Pan, mirava também se classificar para o Rio-2016, mas foi muito mal no Mundial, terminando apenas na 26.ª colocação, com 5.647 pontos, muito aquém dos 6.103 pontos que anotou em uma competição na Espanha, em junho. Repetisse tal resultado, ficaria 10 posições acima.

SEM SURPRESAS – Também neste domingo foram disputadas duas finais de campo no Ninho do Pássaro e em ambas os resultados ficaram absolutamente dentro do previsto. No arremesso de peso, a vitória ficou com o norte-americano Joe Kovacs, com 21,93m. Ele foi seguido do alemão David Storl (21,74m), então bicampeão mundial, e do jamaicano O’Dayne Richards (21,69m), ouro no Pan. Os três já eram, nessa ordem, os três melhores do ranking mundial. Darlan Romani, que parou na semifinal, tinha resultado nesta temporada para ser o sexto colocado.

Já no lançamento do martelo o ouro ficou com o polonês Pawel Fajdek, dono das 10 melhores marcas da temporada e que, há duas semanas, bateu o recorde mundial da prova. Em Pequim, ele alcançou 80,88m para faturar o bicampeonato. Foi seguido no pódio por Dilshod Nazarov (78,55), do Tadjiquistão, e do compatriota Wojciech Nowicki (78,55m).