O capitão da equipe brasileira na Copa Davis, João Zwetsch, revelou otimismo ao analisar o futuro confronto com o Japão, pela repescagem da competição, entre os dias 15 e 17 de setembro deste ano, em solo japonês. Esta será a primeira vez que brasileiros e japoneses se enfrentam em jogos do torneio.

“É um adversário duro, difícil, nossa expectativa era de jogar em casa, mas não deu certo. O Japão é uma equipe bastante complicada, principalmente jogando fora de casa, tem o Nishikori, que dispensa comentários, deve jogar por ser o confronto no Japão. A tendência é de o Japão escolher quadras bem rápidas, como é o próprio ATP 500 de Tóquio”, previu o capitão.

Apesar da dificuldade, Zwetsch acredita que o time brasileiro pode fazer “um bom papel”. “Vamos ter que pensar bem na preparação e elaborar o trabalho a ser feito antes do confronto. Temos que ir com a cabeça firme, sabendo que vamos enfrentar um adversário difícil na sua casa, mas ao mesmo tempo a nossa equipe tem chances de fazer um bom papel”, afirmou o capitão brasileiro na Davis.

Kei Nishikori, citado pelo capitão brasileiro, é o atual número 7 do mundo no ranking da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) e tem sido o principal tenista japonês nos últimos anos da Copa Davis.

O capitão do time nacional na Davis, João Zwetsch, vai definir os tenistas convocados até 5 de setembro, dez dias antes do início do duelo, prazo estipulado na regra da competição para todos os países.

O Brasil se classificou para a repescagem após bater o Equador por 5 a 0 na disputa do Zonal Americano I da Copa Davis, em Ambato. O time nacional foi formado por Marcelo Melo, Bruno Soares, Thomaz Bellucci e Thiago Monteiro. O resultado garantiu a ida do Brasil à repescagem, que equivalente ao playoff do Grupo Mundial.