Ainda não foi desta vez que o Guarani deixou de ser um freguês de carteirinha do Atlético Goianiense. Neste sábado, em pleno estádio Brinco de Ouro, em Campinas, o time paulista perdeu para o goiano por 1 a 0, pela 31.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na briga contra o rebaixamento, ambos têm 35 pontos, mas o Atlético ocupa a 14.ª posição por ter mais vitórias: 10 a 8. E segue em alta porque vinha de vitórias expressivas sobre o Corinthians (4 a 3, em São Paulo) e Vasco (2 a 0, em Goiânia).

Sem vencer há seis rodadas, com dois empates e quatro derrotas, o Guarani passa a se preocupar diretamente com o rebaixamento. Esta foi sua segunda derrota em casa nesta temporada – tinha caído diante do Internacional por 3 a 0, no primeiro turno. E ainda amarga a maldição de não vencer o rival há 19 anos – desde abril de 1991. Desde então foram oito jogos, com seis vitórias atleticanas e dois empates.

O primeiro tempo foi equilibrado. O Guarani tinha um ligeiro domínio das ações dentro de campo. Porém, o Atlético demonstrava muita tranquilidade, como que a esperar o momento certo para “carimbar” o seu adversário. O Guarani não chegou em boas condições de finalizar, mas assustou aos 18 minutos, quando Rodrigo Heffner cobrou a falta na área, Ailson desviou de cabeça e a bola bateu no pé da trave. Ela voltou para Paulo Roberto, que cruzou fechado e o goleiro Márcio tirou de soco.

O Atlético só foi assustar a partir dos 30 minutos. Renatinho fez grande jogada na esquerda da área e chutou forte. Douglas espalmou e a defesa tirou. Aos 36, saiu a melhor chance. Juninho fez grande jogada na direita, entrou na área driblando e tocou para Josiel, livre na esquerda. Ele chutou de primeira e a bola bateu na rede pelo lado de fora, perdendo grande chance.

O time goiano voltou na segunda etapa com Marcão no lugar de Josiel. E a estrela do técnico René Simões brilhou. Aos 14 minutos, Renatinho fez passe perfeito nas costas da defesa e Marcão apareceu livre na grande área. O artilheiro chutou forte e abriu o placar.

Depois disso, Vágner Mancini, do Guarani, ainda tentou mudar o cenário do jogo com as entradas de Mário Lúcio e Vitor Júnior nas vagas, respectivamente, e de Diogo e Barboza. Mas o time, muito nervoso, não conseguiu nem o gol de empate. E ainda escapou de sofrer mais gols nos contragolpes armados pelos goianos. Aos 29 minutos, Marcão entrou livre na área, bateu cruzado, mas para for. E, aos 32, confirmando a falta de controle emocional do Guarani, Baiano cometeu falta desleal sobre Agenor e foi expulso.

Na próxima rodada, a 32.ª da competição, o Guarani vai enfrentar o Avaí, no próximo sábado, às 18h30, em Florianópolis. Na próxima quinta-feira, às 21 horas, o Atlético vai receber o Ceará, no estádio Serra Dourada, em Goiânia.

Ficha técnica

Guarani 0 x 1 Atlético-GO

Guarani – Douglas; Rodrigo Heffner, Aislan, Ailson e Márcio Careca; Renan, Paulo Roberto (Baiano), Preto e Barboza (Vitor Júnior); Diogo (Mário Lúcio) e Reinaldo. Técnico: Vágner Mancini.

Atlético-GO – Márcio; Adriano, Jairo, Gílson (Paulo Henrique) e Thiago Feltri; Agenor, Pituca, Rômulo e Anailson (Renatinho); Juninho e Josiel (Marcão). Técnico: René Simões.

Gol – Marcão, aos 14 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos – Preto (Guarani); Juninho (Atlético-GO).

Cartão vermelho – Baiano (Guarani).

Árbitro – Evandro Rogério Roman (Fifa-PR).

Renda – R$ 36.411,00.

Público – 2.986 pagantes.

Local – Estádio Brinco de Ouro, em Campinas (SP).