Rio – No que depender do STJD não há hipótese de o empate, por 1 a 1, entre Corinthians e Inter, domingo, no Pacaembu, ser anulado. O clube gaúcho ainda deve contabilizar outro revés já que seu presidente, Fernando Carvalho, poderá ser processado pelo órgão e ser suspenso por até um ano. A única boa notícia é a de que o meia Tinga tem a possibilidade de conseguir uma liminar e atuar normalmente até ser julgado, sem cumprir a suspensão automática pela expulsão.

O presidente do STJD, Luiz Zveiter, não quis se pronunciar sobre o caso, mas o procurador do STJD, Paulo Schmitt, foi enfático ao afirmar que não existem argumentos para a anulação da partida. Para ele, o erro ocorreu por causa da interpretação do árbitro Márcio Rezende, que deixou de marcar um pênalti a favor do Inter, além de ter expulsado Tinga sob a alegação de que simulou a infração.

?O árbitro mostrou conhecimento da regra e não confessou ter tido má fé no lance. Então, não temos como anular a partida?, disse o procurador do STJD. ?Se ele tivesse dito que falta na área não é pênalti ou confessado que não marcou de propósito, aí teríamos como anulá-la?. O procurador do STJD disse também que está investigando uma suposta declaração de Carvalho, em um programa esportivo de TV, na noite de domingo, de que ?Zveiter manda na procuradoria?.

?Isso não existe e ele não pode ficar falando isso. Se for confirmado, o processarei?, disse Schmitt.