O presidente da CBDA, Coaracy Nunes, admite que a situação da nadadora Rebeca Gusmão, pega no exame antidoping é difícil. ?Nunca a Confederação conseguiu reverter um caso assim.?.

Depois de conversar com três médicos – Cláudio Cardoni, Marcos Bernhoeft e Renata Castro – no Painel de Doping na Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Rebeca Gusmão tentou mostrar tranqüilidade quanto às acusações de doping. ?A noticia é chata mas tenho a consciência tranqüila?, disse a nadadora. ?Fiz cinco exames durante o Pan e somente em um deles os médicos constataram isso. Estou chateada porque fui cortada na Copa do Mundo mas sei que as coisas vão acabar bem.

Rebeca diz que desde 2003 tem um diagnóstico de ovários policísticos, doença que tem como sintoma o aumento da testosterona no organismo das mulheres. A atleta ressaltou que passou por muitas avaliações e não seria inteligente se dopar agora que é examinada regularmente.