Principal esperança de medalhas nos saltos ornamentais para o País, Cesar Castro ficou com o quarto lugar nos Jogos Pan-Americanos de Toronto. Competindo na noite deste sábado no trampolim, Cesar alcançou a nota final de 411,55. O ouro ficou com o mexicano Rommel Pacheco (483,35), que era franco favorito. O também mexicano Jahir OCampo (442,15) ficou com a prata e o canadense Phillipe Gagné (421,20), com o bronze.

Com o resultado, Cesar Castro interrompe uma sequência de pódios que vinha desde os Jogos do Rio. Ele havia sido bronze na última edição dos Jogos, em Guadalajara 2011 e prata na competição carioca. Essa também foi a terceira prova nas piscinas que o Brasil fechou com o quarto lugar – mais cedo, o dueto e a equipe de nado sincronizado ficaram fora do pódio.

Na prova de saltos deste sábado, Cesar começou mal e terminou as duas primeiras rodadas apenas no décimo lugar. Mas foi melhorando a cada salto e deu a entender que fecharia com um pódio. No último salto, porém, marcou 74,80 e perdeu a chance de pódio por conta de um salto sensacional de Phillipe Gagné, que marcou 89,25.

SALTOS – Com 61,50, Cesar Castro fez apenas o décimo melhor salto na primeira rodada. O desempenho assustou, mas pouco depois o grande favorito Rommel Pacheco pulou para ficar com a última colocação pela avaliação dos jurados – ele somou apenas 56,10.

Cesar melhorou consideravelmente a nota no segundo salto, marcando 72 pontos – mais ainda longe dos melhores na rodada. Rommel, por exemplo, fez 79,50 e alcançou a melhor média entre as notas.

A partir daí o brasileiro começou a galgar posições no ranking. Fechou a terceira série de saltos no sétimo lugar (69,75), a quarta em sexto (67,50) e a quinta rodada de saltos em quarto (apesar de ter feito apenas 66,00 pontos). Na derradeira, fez a marca 74,80.

Sexta-feira, na fase de classificação, o brasileiro havia terminado com a terceira posição, atrás de Rommel Pacheco e do canadense François Imbeau-Dulac, que ficou em sexto na final.

Cesar Castro e Ian Matos competem juntos na prova sincronizada do trampolim, na segunda, ainda que esta não seja a parceria que treina para os Jogos Olímpicos. O Brasil, que tem convite como dono da casa, deverá levar ao Rio Ian Matos/Luiz Felipe Outerelo.