A vitória de Kimi Raikkonen no GP da Malásia, segunda etapa do Mundial de Fórmula 1, não foi suficiente para satisfazer Stefano Domenicalli, que assumiu este ano o posto de diretor esportivo da Ferrari.

Enquanto se prepara para o GP do Bahrein, o italiano afirmou que os 11 pontos conquistados pela equipe – todos de Raikkonen – nas duas primeiras corridas do ano são pouco perto do que o time pode conseguir. Mas evitou culpar o brasileiro Felipe Massa, que sofreu uma quebra na Austrália e rodou sozinho na Malásia.

"Não podemos estar satisfeitos com apenas 11 pontos conquistados em 36 possíveis. No entanto, a responsabilidade pelos resultados é de toda a equipe, desde a direção, até os engenheiros, os mecânicos e, claro, os pilotos. Todos nós temos de melhorar para chegar onde queremos", disse Domenicalli, que tem a difícil missão de substituir o francês Jean Todt à frente da escuderia.

"Aprendi muito com pessoas como Todt e Montezemolo [Luca, presidente da Ferrari], foi um privilégio tê-los por perto. É claro que sinto uma responsabilidade grande, e é uma honra estar em um cargo como este agora, mas continuo sendo a mesma pessoa que sempre fui", afirmou o diretor.