Depois de ter levado a Olimpíada para Pequim em 2008, a China pensa agora em organizar uma Copa do Mundo. A Associação Chinesa de Futebol manifestou interesse de realizar a maior competição de futebol do planeta em 2026, mas a Fifa ainda nem abriu o processo de candidatura para essa eleição – antes, a entidade anuncia em dezembro as sedes de 2018 e 2022.

Se realmente entrar na disputa, a China já aparece com boas chances de receber a Copa de 2026. A Fifa considera o país como a última grande fronteira para o futebol ultrapassar, além de ser um mercado extremamente atrativo e de ter uma estrutura considerável para organizar a competição.

“Blatter me disse que a China está cada vez mais influente e que é uma tendência inevitável que a China finalmente organize uma Copa”, afirmou o presidente de Associação Chinesa de Futebol, Wei Di, ao relatar conversa que teria tido recentemente com o presidente da Fifa, Joseph Blatter.

A Fifa, no entanto, ainda nem pensa na Copa de 2026. A prioridade da entidade é definir as sedes de 2018 e 2022, o que acontecerá simultaneamente – a próxima edição, em 2014, será no Brasil. Mas a presença da China pode influir até mesmo na eleição que acontecerá em dezembro.

Com a possibilidade de realizar a Copa na China, as candidaturas asiáticas (Japão, Coreia do Sul, Catar e Austrália) perderiam força para 2022, pois a Fifa não organiza a competição duas vezes seguidas num mesmo continente. E para a 2018 a tendência é a vitória de um país europeu.