Foto: Valquir Aureliano

Jogo foi muito disputado, ainda mais com toda chuva que caiu, mas no último minuto o Coritiba virou o placar e passou pela Macaca.

Se não deu na técnica, na tática e no toque de bola, deu na raça, na disposição, na crença de que a virada poderia acontecer. E aconteceu aos 48 do segundo tempo, no último abafa do Coritiba para cima da Ponte Preta. Após sair perdendo e não conseguir jogar num gramado encharcado, o Alviverde mostrou vontade suficiente para vencer a Macaca por 2 a 1, ontem, no Couto Pereira. Com a vitória, o Coxa se mantém na vice-liderança da Segundona e, no sábado, vai a Salvador enfrentar o Vitória.

Sem tempo para treinar devido à chuva de segunda-feira, René Simões deixou no ar a possibilidade de usar Túlio ou Marlos. Foi de Marlos, mas a habilidade do xodó da torcida acabou bastante prejudicada pelo gramado encharcado. Nem adiantou ter o domínio de bola, que veio após o Alviverde sofrer o gol de Éverton. O meia da Macaca fez uma boa tabela com Roger e mandou na saída de Edson Bastos. Era tudo o que o time de Nelsinho Batista queria.

Com a retranca armada e a vantagem no placar, a equipe de Campinas se postou na defesa e foi bloqueando as jogadas do Coxa, que ia parando nas poças d?água. Quando tentava entrar pelo alto via a defesa adversária se consagrar. Para ajudar o goleiro Dênis, poucos chutes de longe. Por isso mesmo, René resolveu mexer, e no atacado, tirando Douglas Silva e Henrique Dias e apostando em Diogo e Túlio.

O domínio de bola continuou o mesmo. Só dava Coxa, mas o gramado ruim não ajudou as mudanças táticas, que levaram Lima para a ala, Mancha para a zaga e Marlos para o ataque. Continuou faltando o chute, que demorou mais 18 minutos para sair o primeiro. Com o jogo difícil no gramado, sobrou até para um torcedor mais irritadinho, que quebrou uma cadeira e foi expulso pela galera e pela segurança do estádio.

No gramado, a mesma coisa. Cada vez mais água, cada vez mais pressão para cima da Ponte e nada. Restou ao treinador alviverde lançar mão do atacante Hugo e explorar a bola aérea. E não é que deu certo. Não com o atacante, mas com o zagueiro Henrique. Ele aproveitou uma bola alçada que parou na poça e entrou com tudo para empatar, apesar da posição duvidosa. De quebra, foi agredido por Ânderson, expulso corretamente. Com um a mais e quando ninguém mais acreditava, Lima cruzou da esquerda e encontrou o K9 (Keirrison) livre, que só completou para a galera explodir no Alto da Glória.

Desfalques

Para a partida contra o Vitória, René não poderá contar com o zagueiro Henrique e os meias Caíco e Pedro Ken, que levaram o terceiro cartão amarelo.

Vitória da garra e da união

?Foi a vitória do coração.? Assim, o técnico René Simões analisou a partida de ontem com a Ponte Preta. Não era para menos. Com gramado encharcado e sem a mínima condição de toque de bola, o Coritiba não economizou raça e conseguiu se manter no encalço do Criciúma, que mantém seis pontos de vantagem na liderança da Segundona. ?Hoje (ontem), não tinha treinador. O que valeu foi o coração dos jogadores e o que a torcida pede tanto que é raça, garra. Foram os jogadores que resolveram e eu estou muito feliz por isso?, agradeceu o treinador.

De acordo com René, a vitória veio da luta incessante dos atletas. ?Eles estão de parabéns mesmo e o que me deixa muito satisfeito é ver jogadores saindo do banco e resolvendo?, destacou. Mesmo assim, ele reconheceu os problemas que o Coxa teve. ?A segunda divisão é muito difícil. Eu já esperava isso nesse jogo, mas eu também esperava a bola correndo. Num campo seco, seria uma excelente partida porque a Ponte tem um excelente time, muito bem treinado, bem armado e só parece um time defensivo por que tem uma saída de bola muito rápida?, elogiou.

Já o time era só emoção com a conquista dos três pontos quando poucos esperavam uma reação tão grande no final da partida. ?O gramado não ajudava, mas a equipe se uniu no segundo tempo e conseguimos virar o jogo?, comemorou o zagueiro Henrique, que abriu o caminho da virada. A mesma festa fez K9, que desencantou depois de 50 dias sem marcar. ?Deus falou que o momento iria chegar e hoje ele me abençoou e estou muito feliz e a equipe de parabéns?, festejou Keirrison antes de ir até a arquibancada agradecer o incentivo.

Hoje, os guerreiros ganham o dia de folga porque amanhã voltam ao batente no CT da Graciosa antes do embarque para Salvador. Com os problemas nas viagens aéreas, a delegação vai com dois dias de antecedência para a Bahia para evitar maiores transtornos. O confronto contra o rubro-negro baiano está programado para as 16h de sábado no Barradão.

CAMPEONATO BRASILEIRO – SÉRIE B

14.ª Rodada

Coritiba 2 x 1 Ponte Preta

Coritiba

Edson Bastos; Henrique, Ânderson Lima e Leandro; Pedro Ken, Rodrigo Mancha, Caíco (Hugo, 26 do 2.º), Marlos e Douglas Silva (Diogo, 1 do 2.º); Henrique Dias (Túlio, 1 do 2.º) e Keirrison.

Técnico: René Simões

Ponte Preta

Dênis; Ânderson, Émerson e João Paulo; Júlio César, Pingo, João Marcos, Ricardo Conceição, Éverton (Alê, 39 do 2.º) e André; Roger (Beto, 42 do 2.º).

Técnico: Nelsinho Batista

Local: Couto Pereira

Árbitro: Fabrício Nevez Corrêa (RS)

Assistentes: José Otávio Dias Bittencourt (RS) e Júlio César Rodrigues Santos (RS)

Gol: Éverton aos 12 do 1.º tempo; Henrique aos 37 e Keirrison aos 48 do 2.º tempo

Cartão amarelo: Pingo, André, Ânderson, Júlio César, Túlio, Henrique, Caíco, Pedro Ken, João Marcos

Expulsão: Ânderson aos 37 do 2.º tempo

Pública pagante: 5.233

Público total: 6.832

Renda: R$ 49.445,00