O clássico de hoje, às 16h50, na Vila Capanema, define o futuro dos clubes da Engenheiro Rebouças no Estadual 2010. Tendo que vencer para continuar sonhando com ponto extra e Supermando na 2.ª fase, o Paraná quer colocar em prática o conhecimento de cada buraco de seu campo. Do outro lado, o Atlético vê a possibilidade de finalmente embalar no torneio e brigar pelo 1.º turno.

Embora os jogadores do Tricolor prefiram manter a cautela, o time da Vila conta com suas armas para barrar o Rubro-Negro. Mesmo as condições falhas do gramado podem ser utilizadas pelo time da casa, como disse o marcador Chicão. “Como a gente treina aqui, conhecemos cada atalho”, afirmou, antes de completar: “Teremos também a presença em massa do torcedor, nosso grande aliado”.

Os atleticanos, representados pelo capitão Alan Bahia, também falam em respeito. Mas deixam claro que vencer é necessário. “Clássico tem que ficar atento 90 minutos. Mas temos que fazer o mesmo ritmo de jogo que estamos fazendo na Baixada”.

No confronto paralelo de hoje, dois atacantes mineiros seguem de olho na artilharia do Paranaense. O tricolor Marcelo Toscano tem 4 gols, enquanto o rubro-negro Bruno Mineiro tem 3 e segue na sua cola. A dupla rival ainda debuta na disputa de um clássico, que também é o primeiro da capital neste ano.

Na última vez que Paraná e Atlético se enfrentaram no Durival de Britto, os visitantes comemoraram a vitória por 1 a 0, com gol de Alan Bahia. Desde 2002, quando venceu o rival por 4 a 1, o Tricolor não ganha dos rubro-negros dentro de seu estádio.

Segredos paranistas

O Paraná entra em campo desfalcado de três titulares. O volante João Paulo, o zagueiro Luis Henrique e atacante Douglas Santana estão suspensos e ficam fora do clássico. Por isso, o treinador Marcelo Oliveira decidiu esperar até ontem para definir quem entra em campo. No entanto, o treino foi secreto e o Tricolor da Vila esconde o jogo para vencer o rival podendo jogar no 3-5-2 ou no 4-4-2.

Furacão é quase o mesmo

Alex Sandro é a única baixa no Atlético. O volante pode ser negociado a qualquer momento e será poupado. Em seu lugar deve entrar Tartá. O meia já vinha sendo aproveitado pelo treinador Antônio Lopes no segundo das partidas, desde o jogo contra o Cascavel, na 4.ª rodada. No entanto, Chico também segue na disputa pela vaga caso o Delegado resolva entrar com um time de maior poder defensivo.