O Coritiba não fez valer o favoritismo que tinha, a superioridade em campo, mas manteve o tabu de 1210 dias sem perder para o rival. Do outro lado, o Atlético conseguiu arrancar um empate mesmo apostando nos contra-ataques e segurou o rival em pleno Couto Pereira.

Com o 1×1, o Alviverde sobe para a 8.ª colocação enquanto o Rubro-Negro segue na zona do rebaixamento. Na quarta-feira, o Coxa vai a Goiás enfrentar o Dragão enquanto o Furacão recebe o Galo na Arena.

Jogando em casa e querendo provar que o melhor momento na Série A não era por acaso, o Coritiba partiu para cima do Atlético embalado pela torcida nas arquibancadas.

Mais organizado, o Alviverde nem parece que sentiu as ausências de Leandro Donizete e Jonas. No meio, Willian mostrava porque é considerado o 12.º jogador coxa e Willian Leandro não sentia a responsabilidade de entrar numa verdadeira “fogueira”. Sem ausências sentidas, o Rubro-Negro queria deixar o jogo passar e explorar uma brecha defensiva do adversário.

Com as propostas colocadas em campo lá foi o Coritiba buscar o gol. No primeiro lance de perigo, Bill cruzou para Marcos Aurélio, que não alcançou. A resposta veio com Cléber Santana, mas o chute ficou fácil para Edson Bastos defender.

Do outro lado, Renan Rocha passou a trabalhar e espalmou um tirambaço de Léo Gago. Era o prenúncio de que o Alviverde estava querendo mais o gol e ele quase veio com Lucas Mendes, que cabeceou para Deivid salvar em cima da linha. Na sequência, Marcos Aurélio cobrou escanteio da direita e Emerson subiu e de cabeça e mandou para a rede.

O gol deixou o Coxa mais tranqüilo enquanto o Furacão passou a se irritar com a arbitragem. Héber, personagem da semana, acabou irritando também a torcida coxa, mas quem sofreu mais foi Renato Gaúcho, expulso após reclamação.

No lance seguinte, Emerson desviou de cabeça e forçou novamente Renan Rocha a salvar a pátria rubro-negra. O resultado magro deu fôlego para o Atlético colocar a casa em ordem. O domínio continuou sendo do time da casa, mas as chances de ampliar não foram aproveitadas e deram e deixaram o resultado perigoso.

Melhor para o Rubro-Negro, que tentou com Branquinho e Fransérgio sorte melhor, mas numa desatenção geral da cozinha coxa o time da Baixada chegou ao empate.

Edilson cobrou falta da esquerda, pingou no meio da área e entrou sob o olhar de vários defensores indecisos. A galera do Furacão comemorou enquanto a torcida alviverde tentou empurrar o time novamente para cima, mas tirando duas chances com Marcos Aurélio e Lucas Mendes o Coxa não conseguiu mais produzir, o nervosismo tomou conta e nem as mexidas de Marcelo surtiram o resultado esperado.