São Paulo – A morte do são-paulino André Silva Feliciano, domingo, a segunda envolvendo torcedores este ano, pode provocar uma medida radical no futebol paulista. O promotor público Fernando Capez propôs, ontem, à Federação Paulista que, em clássicos na capital, envolvendo Corinthians, Palmeiras e São Paulo, seja permitido o acesso apenas da torcida do clube mandante.

Não seria uma medida inovadora no futebol. Procedimento semelhante foi aplicado na Copa Libertadores deste ano, na Argentina. No jogo de volta da fase semifinal entre Boca Juniors e River Plate, no dia 17 de junho, apenas os torcedores do River Plate puderam entrar no Estádio Monumental, diante da séria ameaça de um choque entre torcidas. Poucos incidentes foram registrados.

Embora entenda que a morte de André, ocorrida no cruzamento da Avenida do Estado com Tiradentes, após o clássico entre São Paulo e Corinthians, domingo, no Morumbi, não envolva diretamente as torcidas organizadas, Capez acha que é necessária uma medida rápida, dura e radical. “Não é o que quero, mas temos de fazer algo. Jogo de uma só torcida diminui os riscos de confronto entre torcidas rivais na cidade. Se isso não der certo, os jogos terão de ser com portões fechados”, opinou o promotor.

Capez conversou ontem com o presidente da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo del Nero, que prometeu encaminhar a sugestão à CBF, entidade promotora do Campeonato Brasileiro. “É o que podemos fazer no momento”, disse Del Nero.

No Campeonato Paulista, porém, os clássicos com uma única torcida poderão ser colocados em prática.