A próxima grande atração do turfe local será o Clássico Primavera, marcado para o dia 16 de setembro, na distância de 1.600 metros. Trata-se de uma das provas tradicionais do turfe paranaense, que foi realizada pela primeira vez em 25 de setembro de 1955, figurando desta forma como a última grande atração do Guabirotuba, pois naquele ano o Grande Prêmio Paraná, no mês de dezembro, teve como palco o Hipódromo do Tarumã.

Quatorze éguas,  venceram a tradicional prova na época em que o Jockey Club do Paraná promovia corridas no Prado Velho, como era chamado o Guabirotuba. Denominação, aliás, de um dos bairros mais importantes de Curitiba.

A primeira vitória foi de Cocarde, de criação de Linneu de Paula Machado, que defendeu as cores da sra. Wanda Berquó, sob os cuidados de Afonso Piotto e dirigida por Constante Bini.

Cut Legend, uma uruguaia, venceu a segunda versão da importante prova, defendendo a farda de Luiz, G.A.Valente, dirigida por Omario Reichel e apresentada por Trajano Athayde.

Gay Brook, argentina, preparada por André Munhoz, venceu em 1944, defendendo a farda de Aurélio Fressato, sob a direção de Aristides Santos.

Sineska, de propriedade de Irio Galli, foi a vencedora do Primavera de 1945, dirigida por Nelson Wagner e apresentada por Trajano Athayde.

Tocandira, em 1946, defendendo a farda de Luiz G.A.Valente, foi a primeira paranaense que venceu o Clássico Primavera, apresentada por R.Corvello, sob a direção de Virgilio Pinheiro Filho.

Esbuena venceu em 1947, marcando a segunda vitória de Irio Galli e a segunda de Virgilio Pinheiro Filho, sob os cuidados de Trajano Athayde, que venceu a prova pela terceira vez.

Lana Turner, argentina de criação do Haras Valente, venceu em 1948, defendendo a farda de Walter Brandão, dirigida por Constante Bini e marcando a quarta vitória de Trajano Athayde.

Donairosa, de criação e propriedade do Haras Valente, venceu em 1949, preparada por Floriano Monteiro da Silva e conduzida por João Vitorino.

Baronete, de criação de Manoel Hipólito Cézar, ganhou em 1950, apresentada por Afonso Piotto e dirigida por Douglas Rauth.

Cautivadora marcou a segunda vitória de Manoel Hipólito Cézar como criador, dirigida por Zeferino Santos e apresentada por Edgard Piovezan, defendendo a farda de Arcésio Lima Filho.

Baronete, vencendo em 1952, marcou a terceira vitória consecutiva do criador Manoel Hipólito Cézar, a terceira de Constante Bini e a segunda do treinador Afonso Piotto.

Manitoba, de criação de Cândido G. Paula Machado, venceu em 1953, sob os cuidados de Paulo Carlos Reinado Dietzsch e dirigida por Ildefonso Lesnioski.

Barynka venceu em 1954, marcando a segunda vitória da sra. Wanda Berquó, proprietária da primeira vencedora do Primavera. Foi apresentada por Oswaldo Nunes Motta, marcando a quarta vitória de Constante Bini.

A última vencedora da tradicional prova da, da época do Guabirotuba, foi Micania, de criação de Lauro Porto Lopes e de propriedade de Ildefonso Mello. Foi apresentada por Adão Bednarczuk e dirigida por João Santos.