O clima das manifestações que toma conta do Brasil não deixa os jogadores de futebol insensíveis. Tanto os que estão na Seleção Brasileira, disputando a Copa das Confederações, quanto os dos clubes nacionais ou estrangeiros decidiram romper o silêncio, através das redes sociais, e se manifestar a favor dos protestos que tomaram as ruas do País, levantando a bandeira contra corrupção, aumento da tarifa de ônibus e gastos abusivos para a realização da Copa do Mundo no Brasil, entre outros.

Uma das manifestações que mais chamou atenção foi a do meio-campo Juninho Pernambucano, que está defendendo o New York Red Bulls, dos Estados Unidos. O jogador afirmou, pela sua página oficial do Facebook, que este é o momento mais oportuno para os jogadores da Seleção Brasileira se unirem ao povo nesta busca por mudanças por um País melhor. “O futebol tem que participar disso tudo. Seria uma grande oportunidade para os jogadores da Seleção Brasileira mostrarem que estão acreditando na mudança do nosso País. Uma sugestão seria neste jogo contra o México (ontem) todos cantarem o hino de costas para a bandeira e assim mostrariam que eles entendem que o futebol não é mais importante que o povo brasileiro”, sugeriu, em trecho do texto publicado em seu perfil no Facebook. Apesar da sugestão, o selecionado não atendeu o pedido de Juninho.

No entanto, jogadores da Seleção Brasileira também se expressaram. Foram os casos do zagueiro David Luiz, do lateral-direito Daniel Alves e dos atacantes Fred e Hulk. O atacante Neymar, destaque da vitória brasileira sobre o México, ontem, se posicionou com a seguinte mensagem: “Triste por tudo o que está acontecendo no Brasil. Sempre tive fé que não seria necessário chegarmos ao ponto de ‘ir para as ruas’ para exigir melhores condições de transporte, saúde, educação e segurança, isso tudo é obrigação do governo. E a partir deste jogo contra o México entro em campo inspirado por essa mobilização”, frisou.

Quem também se manifestou foi o meio-campo Alex, via twitter, que interagiu com alguns seguidores e se posicionou favorável aos protestos, desde que sejam realizados pacificamente. “Democracia é isso. Só não podemos deixar que vire anarquia. As manifestações são importantíssimas. Tem belas situações e imagens em todo o Brasil”, postou o camisa 10 do Coritiba. Também do Alviverde, o zagueiro Leandro Almeida se manifestou pelas redes sociais. O defensor coxa-branca, com a mensagem “Brasil sem corrupção”, colocou uma tabela com os gastos no Brasil com a realização da Copa do Mundo e da Copa das Confederações, traçando um comparativo com o salário mínimo no Brasil, que hoje é de R$ 678,00.

No Atlético, a política do clube recomenda aos jogadores que não polemizem nas redes sociais. Mesmo assim, alguns se manifestaram, como Jean Chera. Via twitter, o jogador postou que defende os protestos, mas repudia atos de vandalismo.