Várias são as alternativas para mudar o quadro atual em que se encontra o futebol paranaense, e algumas delas deverão ser levadas à discussão pelos presidentes dos clubes do interior no próximo arbitral da FPF. “Precisamos fazer algo pra mudar essa situação. Temos a intenção de conversar entre os presidentes dos clubes do interior e levar propostas à Federação. De repente, a realização de uma Copa no segundo semestre, com vaga a alguma competição nacional.

Também tem a questão dos patrocínios, com calendário maior poderíamos fechar contratos maiores, ao invés de apenas três meses. Isso é fundamental pra movimentar as cidades, e o futebol do interior do Estado”, antecipa Valdir Cagnini. “É um objetivo em comum. Outra ótima alternativa é a própria questão levantada pelo Bom Senso (grupo de atletas que reivindica melhores condições ao futebol nacional), com a criação da Série E. Mas é importante salientar que precisamos do apoio e respaldo da Federação e da CBF”, observa Thiago Campos.

Efeito Maringá

A classificação do Maringá à finalíssima do Estadual, desbancando o atual tetracampeão Coritiba, em pleno Couto Pereira, deu fôlego extra ao Prudentópolis dentro do Paranaense. É que os 16 pontos na classificação geral do Estadual credenciaram o Tigre a disputar o título de Campeão do Interior – final disputada pelos dois melhores clubes com sede fora da capital, desde que não classificados à final.

O adversário do Prudentópolis ainda depende do Londrina, que decide amanhã contra o Atlético o confronto pelas semifinais. Caso o Tubarão avance de fase, a vaga na final do interior será do Rio Branco. Senão. o próprio Londrina será o rival do Prude.

Ao campeão do Interior será oferecida uma premiação em dinheiro pela RPCTV, emissora do grupo GRPCOM e que detém os direitos de transmissão do Estadual.