O Clube dos 13 reuniu-se nesta terça-feira em São Paulo para sua Assembleia Geral e ganhou uma sobrevida. Com a participação de 20 clubes, o encontro decidiu pela manutenção da entidade e por uma reformulação do seu estatuto. Também já foi escolhida uma comissão que vai promover tal mudança, composta por Flamengo, Grêmio, Sport e Portuguesa e também pelo Corinthians, que se desligou da entidade e participa como convidado.

“A data de hoje (terça) marca a refundação de uma instituição de longa história de serviços prestados ao futebol brasileiro” disse Fábio Koff, que segue como presidente e homem forte do Clube dos 13.

O dirigente ligado ao Grêmio, porém, indicou que será substituído na presidência da entidade, mas primeiro é necessário que o Clube dos 13 deixe de ter dívidas. “Assim que os débitos forem quitados, convocarei novas eleições. Posso dizer que os problemas que enfrentamos ficaram para trás. Deixarei a presidência com o sentimento de dever cumprido.”

Fundado em 1987, o Clube dos 13 tinha como função principal defender os interesses dos grandes clubes do País na negociação conjunta dos direitos de transmissão de jogos do Campeonato Brasileiro. Mas a reeleição de Fábio Koff, com a derrota de Kleber Leite, candidato preferido da CBF, fez a entidade perder força. Liderados pelo corintiano Andrés Sanchez e sob a tutela da entidade máxima do futebol brasileiro, os clubes optaram por negociar os direitos dos próximos Brasileirões individualmente, fechando todos com a Rede Globo.