Rio – O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e as confederações a ele filiadas divulgaram ontem um projeto de ações para os Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio, e as Olimpíadas de Pequim/2008. O trabalho é para conquistar o maior número de medalhas possíveis nas duas competições, além de tornar o País a terceira força esportiva do continente americano – atrás de EUA e Cuba.

Mas, para o sucesso do plano de trabalho, o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, em nome das confederações, avisou que o governo federal precisa ajudar financeiramente o projeto – isso sem contar os recursos já previstos da Lei Piva.

Apesar de o presidente do COB não se referir ao assunto, um das esperanças da comunidade esportiva olímpica é a aprovação de uma lei de incentivo fiscal para o setor.

O secretário Nacional de Alto Rendimento, André Arantes, esteve na cerimônia de ontem e afirmou que o governo federal já se comprometeu a investir mais recursos nos esportes olímpicos. Não falou em cifras, mas informou que uma inédita parceria está em vigor.

"Temos tecnologia de ponta que não é utilizada no País. Vamos fazer um trabalho integrando as confederações olímpicas com a Cenesp (Centro de Excelência Esportiva)", disse André Arantes.