Em clima de estádio de futebol e com a torcida lotando o ginásio do Exhibiton Centre em Toronto, a seleção brasileira masculina de vôlei venceu a Argentina por 3 sets a 0, com parciais de 29/27, 25/21 e 25/22, em jogo de muita rivalidade, pela última rodada da fase de grupos dos Jogos Pan-Americanos. Teve catimba, reclamação dos dois lados e provocações, com direito à virada no final. “A gente soube levar na calma e não perdemos a força”, afirmou o levantador Murilo.

Ele conta que a geração dos atletas que está no Pan conhece bem os argentinos. “Enfrentamos muito eles nas categorias de base. São seis anos consecutivos e existe uma rivalidade grande, mas nós sabemos usar isso a nosso favor”, continuou o atleta.

Com 17 acertos, Renan foi o maior pontuador do Brasil, que com a vitória garante a primeira posição do grupo, ganha dois dias de descanso e aguarda seu adversário na semifinal. “O Rubinho sempre fala para a gente não cair nas provocações. Eles fazem isso, ficam olhando. Desde 2007 a gente enfrenta a maioria deles”, comentou o atleta, que tem 2,17 metros de altura.

No primeiro set, o equilíbrio deu o tom do duelo até os últimos pontos. A partida empatou em 24 a 24, os dois times tentavam abrir dois pontos para vencer, mas foi o Brasil que teve tranquilidade para fechar em 29 a 27, em 36 minutos.

No período seguinte, a Argentina caiu um pouco de rendimento e o Brasil soube aproveitar. Abriu vantagem no marcador e com tranquilidade fez 25 a 21 em 28 minutos. No terceiro set, a seleção masculina de vôlei deixou os rivais na frente. Os argentinos abriram três pontos de vantagem, mas o Brasil se recuperou e fechou em 25 a 22.

Para o técnico Rubinho, a tendência é o time crescer na competição. “A equipe tem melhorado a cada partida. Contra a Argentina, erramos muito pouco. O próximo jogo vai ser muito difícil, mas tudo serve de aprendizado para esses rapazes. Estamos trabalhando para ter novos jogadores no time de cima”, avaliou.