Com um polêmico gol de mão de Adriano, o São Paulo derrotou neste domingo (13) o Palmeiras por 2 a 1, no Estádio do Morumbi, na primeira partida entre os clubes pelas semifinais do Campeonato Paulista. Com o resultado, o time do Morumbi jogará por um empate no segundo confronto, no próximo domingo (20), no Palestra Itália.

A vitória foi muito festejada pelos são-paulinos, não só por ser uma resposta aos palmeirenses (o São Paulo foi goleado na fase classificatória por 4 a 1), mas também por amenizar o clima no Morumbi, que ficou agitado com a briga entre Carlos Alberto e Fábio Santos e a derrota para o Audax Italiano (1 a 0), na Libertadores.

Já o Palmeiras teve a invencibilidade de 14 jogos quebrada. O clube alviverde, considerado favorito para o duelo, havia vencido as últimas 10 partidas. Agora, a aposta está na torcida e no Palestra Itália para tentar reverter a vantagem tricolor.

A disposição na marcação do São Paulo acuou o Palmeiras nos minutos iniciais. Com o retorno de Alex Silva, que ficou os últimos cinco meses afastado por causa de uma lesão no joelho, o técnico Muricy Ramalho escalou três zagueiros, colocou três volantes para sufocar o Palmeiras e ainda ordenou que os atacantes Adriano e Dagoberto retornassem para marcar.

O Palmeiras, no 4-4-2, entrou no jogo do rival. Valdivia e Diego Souza, os articulares, perderam a bola com freqüência e o São Paulo se utilizou de rápidos contra-ataques para chegar ao gol de Marcos.

"Mãozinha"

Numa cobrança de falta, aos 11 minutos, Jorge Wagner levantou na área. A bola foi para o atacante Adriano, que utilizou a mão direita para desviar a bola e mandá-la para o fundo das redes de Marcos. "O que eu posso fazer. Aconteceu, futebol tem dessas coisas e o importante foi o gol", disse o Imperador.

Os palmeirenses reclamaram. Com a desvantagem no placar, os jogadores se lançaram para o ataque. Logo aos 16 minutos, Élder Granja cruzou e Alex Mineiro desviou de cabeça. A bola explodiu na trave de Rogério Ceni.

O Palmeiras teve um volume maior de jogo na primeira etapa. Mas o São Paulo, nas bolas paradas, foi mais perigoso. Rogério Ceni, em três cobranças de falta, quase ampliou. Nas jogadas aéreas de Jorge Wagner, Gustavo e Henrique sofreram para afastar a bola.

Segundo tempo

Se o primeiro tempo foi quente, a etapa final manteve o ritmo. Logo aos 2 minutos, o zagueiro Gustavo saiu jogando mal para o Palmeiras. Jorge Wagner roubou a bola e tocou para Adriano. O Imperador ganhou de Pierre e chutou na saída de Marcos. Foi o 11º gol do atacante no Paulistão.

Três minutos depois, Diego Souza passou por dois marcadores, invadiu a pequena área e chutou rasteiro. Rogério Ceni conseguiu defender. O goleiro são-paulino fez uma grande partida e salvou o São Paulo em várias oportunidades, além de apoiar os jogadores e auxiliar os três zagueiros.

Luxemburgo ainda tentou reverter a desvantagem. Colocou Martinez Denilson e Lenny nas vagas de Pierre, Kléber e Diego Souza, respectivamente. O time melhorou e conseguiu diminuir o placar. Aos 31 minutos, Alex Silva derrubou Lenny na área: pênalti. Na cobrança, Alex Mineiro guardou e marcou o gol número 500 do campeonato. O Palmeiras ainda pressionou, mas não conseguiu chegar ao empate. No final, a festa foi tricolor.