O técnico Jorginho foi demitido e o diretor de futebol Paulo Pelaipe pode ser o próximo a ir embora. O ambiente no Flamengo é de profunda turbulência, com apenas quatro rodadas disputadas no Campeonato Brasileiro. Sob o comando do auxiliar Jaime de Almeida, o time carioca tenta esfriar a fervura com uma vitória sobre o Criciúma, neste sábado, às 16h20, no Estádio Heriberto Hülse, no interior catarinense.

Uma vitória sobre o Criciúma vai aliviar a tensão, mas não vai extinguí-la. O clube carioca busca um novo técnico. O desejo é ter Mano Menezes, mas o alto salário é um obstáculo. Ele teria pedido R$ 700 mil, além de reforços, segundo alguns relatos. Em contenção de custos, a nova diretoria flamenguista, que enfrenta sua primeira crise desde que assumiu no começo do ano, quer abaixar tal valor.

Além da insatisfação com o trabalho de Jorginho dentro de campo, existem nos bastidores da Gávea membros da diretoria aborrecidos com contratações infrutíferas feitas por Pelaipe. A principal delas seria Carlos Eduardo. Apesar de ter vindo a baixo custo, o meia era uma alta aposta de retorno técnico. Mas ele não consegue entrar em forma e, até agora, tem sido um fiasco.

Os jogadores procuram se manter alheios à movimentação nos bastidores do clube. Em Criciúma, vão tentar superar um time que está invicto em seu estádio, onde ganhou duas vezes – nos dois jogos como visitante, os catarinenses perderam. Com apenas dois pontos somados até agora, o Flamengo precisa da vitória também para poder deixar a zona de rebaixamento (é o penúltimo colocado).

Em Criciúma, Jaime de Almeida não deu indícios do time titular. Ele comandou uma atividade técnica sem formações táticas. O meia Renato Abreu está suspenso, o que deve levar ao retorno de Gabriel à equipe. Mas o técnico interino indicou que deve fazer outras mudanças com relação à escalação habitual de Jorginho.