São Paulo – Depois de atropelarem os grandes clubes, Paulista e São Caetano iniciam às 16h, no Pacaembu, a disputa do inédito título do campeonato paulista. Zebras nas semifinais diante de Palmeiras e Santos, os clubes do interior lutam por uma façanha inimaginável no início da competição. O segundo jogo será disputado dia 18, também no Pacaembu. Caso haja igualdade em pontos e saldo de gols, a decisão irá para a cobrança de pênaltis.

Bem administrados e bem dirigidos em campo, os dois clubes são exemplos para serem seguidos até mesmo por grandes clubes. O sonho de entrar na elite dos vitoriosos é acalentado nos últimos anos pelo São Caetano, duas vezes vice-campeão brasileiro (2000 e 2001) e vice-campeão da Taça Libertadores de 2002.

A fama de eterno vice-campeão pode ser enterrada agora, com um time que tem a marcação “mais italiana” do futebol brasileiro, com muita pegada, pouco espaço e eficiência. “Meu desafio foi equilibrar a força da defesa com a melhora do ataque. E acho que consegui”, diz o técnico Muricy Ramalho.

Ele espera uma grande final. “Será um jogo aberto e franco, porque são dois times que gostam de jogar bom futebol”. Reconhece, porém, que o desfalque do Paulista, o atacante Izaías, diminui o poder de contra-ataque do adversário que pode vir mais fechado. O desafio de superar a marcação tem uma receita simples: explorar as laterais do campo e virar o jogo rapidamente de um lado para outro.

Zetti já avisou que será cauteloso neste primeiro jogo. Mas acha fundamental o Paulista ter opções ofensivas. “É difícil suportar uma pressão durante 90 minutos. Mas temos alternativas para evitar o sufoco deles”, assegura.

Números

Os dois times se enfrentaram só uma vez neste Paulista, justamente, na última rodada da fase de classificação. O jogo aconteceu no ABC, com o São Caetano levando ampla vantagem: 5×1. O Paulista já estava classificado e atuou com alguns reservas.

O time de Jundiaí tem contra si o retrospecto. Dos 11 jogos disputados entre os dois, jamais conseguiu vencer. Foram oito vitórias do São Caetano e três empates. O confronto mais importante aconteceu em 2000, na decisão do Campeonato Paulista da Série A-2 (a segunda divisão). Mesmo atuando no Estádio Jaime Cintra, em Jundiaí, o time do ABC venceu por 1×0, com um gol de bicicleta de Túlio Maravilha.

O Paulista é o time de melhor ataque da competição, com 32 gols em 13 jogos. O São Caetano ficou com a melhor defesa da primeira fase, com apenas 10 gols sofridos em 10 jogos. Além disso, coincidentemente, os dois times aplicaram uma goleada por 4×0 sobre o Santos, considerado por muitos o time de melhor elenco de São Paulo.

Mudanças

Cada time sofrerá uma mudança neste jogo por causa de suspensão. Sem o atacante Izaías, suspenso por ter recebido três cartões amarelos, Zetti pensou durante a semana se escalaria um novo atacante, Márcio Mossoró, ou se colocaria em campo o volante Amaral. Mantendo a coerência e a cautela de sempre, ele optou pelo meio-campista, dando mais “pegada” ao time.

Com a mudança, o meia Aílton foi adiantado para o ataque e atuará ao lado de João Paulo, artilheiro do time, com seis gols. No gol, Márcio está garantido até o final. Mesmo com o treinador de goleiros, Armando Bracalli, sendo pai do ex-titular Rafael, a apresentação de Márcio nas duas partidas contra o Palmeiras o transformaram no novo dono da camisa um.

O São Caetano também tem apenas um desfalque para a grande decisão. A perda, no entanto, é bastante sentida: o lateral direito Anderson Lima, arma especial nas cobranças de faltas e nos cruzamentos. Ele também recebeu o terceiro amarelo e deve ser substituído pelo volante Fábio Santos. Na semifinal contra o Santos ele substituiu Gilberto, no meio campo, e agora faz às vezes de lateral se revezando com Mineiro.

Ficha Técnica

Paulista: Márcio;

  Lucas, Asprilla, Danilo e Galego; Alemão, Umberto, Amaral e Canindé; Aílton e João Paulo. Técnico: Zetti.

São Caetano: Sílvio Luís; Fábio Santos, Dininho, Serginho e Triguinho; Marcelo Mattos, Mineiro, Gilberto e Marcinho; Euller e Fabrício Carvalho. Técnico: Muricy Ramalho.

Local: Pacaembu. Horário: 16h. Árbitro: Wilson Luís Seneme.