“Série B é pegada, é luta. Sem isso não se vai a lugar algum”. A frase do técnico Paulo Comelli foi apenas uma forma “polida” de expressar o que rolou no intervalo do jogo.

Os gritos no vestiário foram altos e contundentes. Uma forma de o treinador acordar o time, que teve um primeiro tempo marcado pela letargia. Aliviado pela vitória, Comelli admitiu que algumas peças destoaram no plano de jogo e que a falta de aplicação foi determinante para o revés inicial.

Comelli também deu a entender que terá que encontrar um lugar para Giuliano no time. O meia armou uma “correria” pra cima do adversário, fez o primeiro gol e, tendo Rodrigo Pimpão e Murilo como coadjuvantes, foi o personagem da vitória suada, de virada, sobre o algoz América-RN.

O meia também foi “polido” em suas respostas. Saiu pela tangente quando a pergunta foi sobre a “teimosia” do treinador em não utilizá-lo. “Estou trabalhando e buscando reconquistar meu espaço. Não vou ficar satisfeito, é lógico, em ficar no banco”, disse o garoto.

Já o ala Murilo disse aceitar com naturalidade a suplência de André Luiz. “Mas, com uma disputa saudável pela posição”, apressou-se em afirmar Murilo, que acabou sendo o autor do gol da vitória. A bola tocou por último no zagueiro Róbson, mas o árbitro creditou a Murilo o gol salvador.

Recentemente, o lateral saiu de campo chorando naquela derrota para o Santo André, na última rodada do turno e ontem foi novamente às lágrimas. “Mas, chorar de alegria é muito bom. De tristeza, ninguém merece”, desabafou o jogador, já prevendo mais uma batalha na sexta, contra o Criciúma.