Com o aval da Fifa para o Morumbi receber jogos das semifinais da Copa do Mundo de 2014, o Comitê Organizador do Mundial em São Paulo quer mais. Em reunião realizada nesta sexta-feira, no próprio estádio, representantes garantiram que correrão atrás agora da tão sonhada partida de abertura, mas sem exageros financeiros.

“Antes o Morumbi não servia sequer para receber os jogos, hoje já pode abrigar até uma semifinal”, disse Caio Luiz de Carvalho, presidente do comitê paulista. “Agora, se o custo [para receber a abertura] ultrapassar o esperado, que Belo Horizonte, Rio ou Brasília façam a abertura.”

Enquanto o São Paulo afirma que conseguirá dinheiro para executar o projeto, o presidente da CBF duvida do clube. O BNDES abriu uma linha de crédito especial de até R$ 400 milhões. As sedes de Copa têm agora 30 dias para apresentar a viabilidade financeira de suas obras.

“O São Paulo vê nessa Copa uma oportunidade para ampliar e modernizar o seu estádio. Toda a expectativa, as especulações são naturais. Não é elegante chutar os custos, mas creio que eles têm o detalhamento de todo o projeto”, afirmou Carvalho, sem citar os valores. O presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, presente na reunião, não quis falar com a imprensa.

Por outro lado, a Comissão de Fiscalização e Controle quer pressa na definição dos jogos que o Morumbi receberá. A presidente Raquel Verdenacci explicou que um jogo de abertura requer projetos mais caros em relação às obras para a semifinal. No entanto, a definição está prevista apenas para outubro de 2011.

“Queremos para São Paulo todo um legado da Copa. Todas as obras de adequação e infraestrutura na cidade também serão feitas dentro da racionalidade. Não queremos obras faraônicas para depois ficarem sem uso”, disse Verdenacci.