O confronto entre manifestantes e a Polícia Militar, ocorrido durante protesto antes do jogo entre Brasil e México, deixou um rastro de destruição nos arredores da Arena Castelão, nesta quarta-feira, em Fortaleza. Foram danificadas placas de sinalização para acesso ao estádio e até mesmo jarros colocados nos canteiros centrais da pista, entre outros estragos.

Segundo a organização do movimento “Mais Pão, Menos Circo”, o protesto desta quarta-feira reuniu cerca de 30 mil pessoas. A mobilização começou às 9 horas e a dispersão dos manifestantes, após ação policial, só aconteceu pouco antes do início da partida – a vitória do Brasil sobre o México, por 2 a 0, começou às 16 horas, pela segunda rodada da Copa das Confederações.

O momento mais tenso do protesto aconteceu por volta do meio-dia, quando os manifestantes resolveram marchar para o Castelão e tentaram passar pelo cordão de isolamento feito pelo Batalhão de Choque da PM na principal via de acesso ao estádio – a partir daquele ponto, os policiais só permitiam a passagem de quem tinha ingresso ou era credenciado para trabalhar no jogo.

A PM tentou evitar que o protesto chegasse ao Castelão. Para isso, chegou a usar bombas de efeito moral, balas de borracha e spray de pimenta. Os manifestantes revidaram com paus e pedras. O resultado foi que dezenas de pessoas ficaram feridas, incluindo oito policiais e dois jornalistas. Além disso, um carro da Autarquia Municipal de Trânsito foi incendiado.

O protesto desta quarta-feira em Fortaleza foi mais um contra a realização da Copa das Confederações e da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Com gritos como “menos Copa, mais escolas”, os manifestantes reclamam dos gastos públicos para receber as competições da Fifa. Manifestação similar já tinha acontecido no sábado em Brasília, antes de Brasil x Japão.