Eleito cinco vezes o melhor jogador do mundo, Cristiano Ronaldo, 33, era a grande esperança de Portugal na Copa do Mundo. A individualidade do atacante, porém, não conseguiu ser mais eficiente do que Cavani e do futebol coletivo e aplicado uruguaio, que avançou às quartas de final após a vitória por 2 a 1, neste sábado (30), no estádio Olímpico de Sochi.

O atacante do Paris Saint-Germain não tem a mesma habilidade do camisa sete português, mas compensou com aplicação e oportunismo. Correu o campo inteiro, deu carrinho e foi preciso nas duas conclusões que teve para marcar os gols. Pepe descontou para os lusitanos.

Com o triunfo, a seleção uruguaia enfrentará agora a França, que eliminou a Argentina. O jogo está marcado para a próxima sexta-feira (6), às 11h (horário de Brasília), no estádio Nizhny Novgorod.

Campeão mundial em 1930 e 1950, o Uruguai chega às quartas de final da competição pela quarta vez desde 1966. Em 1970 e 2010, conseguiu ir adiante e terminou em quarto lugar.

Já Portugal vê sua geração que mais trouxe alegrias desde a década de 70 fracassar em mais um Mundial. Há quatro anos, foi eliminado na primeira fase. Na África do Sul caiu nas oitavas de final assim como agora.

O melhor resultado foi em 2006, quando ficou na quarta colocação.

Os portugueses tinham a expectativa de avançar no Mundial pelos resultados alcançados em outras competições. Em 2016, Portugal foi campeão da Eurocopa. Na edição anterior, parou nas semifinais. No ano passado, foi terceiro colocado na Copa das Confederações.

As campanhas sempre tiveram como destaque o camisa 7 Cristiano Ronaldo. Na Rússia, ele havia sido o protagonista das duas primeiras partidas da equipe, quando marcou três gols no empate diante da Espanha e fez o único no triunfo sobre Marrocos.

Aliás, foi a única vitória da seleção portuguesa na Rússia –ainda teve um empate com o Irã, quando o craque do Real Madrid perdeu um pênalti.

Já o Uruguai não encantou nos três primeiros jogos, mas mostrou o coletivo como ponto forte. Obteve vitórias magras sobre Egito e Arábia Saudita e ganhou da Rússia por 3 a 0.

O futebol coletivo uruguaio se deve muito ao técnico Óscar Tabarez, 71, que está no cargo desde 2006. Ele que sofre de síndrome de Guillain-Bané —afeta os seus nervos periféricos—, trocou o estilo de força por um mais técnico e pensado.

Neste sábado, o Uruguai aliou a técnica e a aplicação tática. No início do jogo, colocou a bola no chão e marcou um bonito gol com a participação de seus principais atacantes. Aos 7 minutos Cavani recebeu na direita e inverteu o jogo para Suárez, que cruzou na cabeça do camisa 21 para abrir o placar.

Com o gol tomado, Portugal tentou se impor, mas não conseguia encontrar espaços. Cavani, Suárez e Bentancur marcavam a saída de bola do adversário e obrigavam o goleiro Rui Patricio a dar chutão.

Aliás, Cavani era aplicado taticamente. Em diversos momentos, o atacante do Paris Saint-Germain aparecia no campo de defesa ajudando na marcação. Já Suárez orientava os companheiros, principalmente os mais novos.

Com essa aplicação do time, Muslera não fez nenhuma grande defesa. Os portugueses, no entanto, chegaram ao empate, em um lance de bola aérea. Após cobrança de escanteio curto, o levantamento foi feito na direção de Pepe, que marcou de cabeça, aos 10 minutos. Foi o primeiro gol tomado pelo sistema defensivo uruguaio.

O Uruguai não se abateu. Após um chutão de Muslera, a bola chegou em Cavani, que colocou no canto, sem chance para o goleiro português.

Já Portugal procurava Cristiano Ronaldo, que não conseguia escapar da marcação e via seus companheiros não acompanharem seu raciocínio, quando cruzou para a área e ninguém completou.

Ele ainda tentou uma finalização, mas foi travado pela defesa uruguaia e teve uma chance em uma cobrança de falta, que pegou na barreira.

O português tentou uma jogada individual antes de terminar a partida, mas foi desarmado por Torreira, para vibração dos uruguaios, que estavam tensos na arquibancada até o apito final do árbitro, quando começaram a cantar.

No final, Cristiano Ronaldo ainda reclamou acintosamente com a arbitragem e levou o amarelo.

URUGUAI

Muslera; Caceres, Gimenez, Godin, Laxalt; Nandez (Carlos Sanchez), Torreira, Vecino, Bentancur (Cristian Rodriguez); Suarez, Cavani (Stuani). T.: Oscar Tabárez

PORTUGAL

Rui Patricio; Ricardo, Pepe, Fonte, Raphael Guerreiro; William Carvalho, Adrien Silva (Quaresma), Bernardo Silva, João Mario (Manuel Fernandes); Gonçalo Guedes (André Silva), Cristiano Ronaldo. T.: Fernando Santos

Local: Estádio Olímpico Fisht, em Sochi

Juiz: Cesar Ramos (México)

Cartões amarelos: Cristiano Ronaldo (Portugal)

Gols: Cavani (U), aos 7min do primeiro tempo e aos 16min do segundo tempo; Pepe (P), aos 10min do segundo tempo