SAMARA, RÚSSIA (UOL/FOLHAPRESS) – A reação de Neymar à forte marcação na vitória do Brasil por 2 a 0, nesta segunda-feira (2), em Samara, irritou a seleção mexicana. Em entrevista após a eliminação nas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia, os jogadores reclamaram do exagero do atacante, que foi o jogador mais caçado em campo, com seis faltas sofridas.

O meio-campista Layun, que no segundo tempo desferiu um pisão no tornozelo direito do camisa 10 da seleção brasileira quando ele já estava caído, era um dos mais indignados. “Nem se pode tocar no Neymar. Só chegar perto e ele já grita e está no chão”, provocou. “Já o conhecia. É assim. Sei da qualidade dele, mas também do comportamento em campo”, completou o mexicano.

Layun também se defendeu do lance que em pisou em Neymar. “É complicado se os árbitros permitem isso. Eu nem estava o vendo, e sim a bola. O árbitro mesmo revisou e viu que não tive a intenção. Só quero jogar futebol”, justificou.

“É um grandíssimo jogador. Poderá ser o melhor quando Cristiano Ronaldo e Messi pararem. Mas, se mudar seu estilo de jogo, será ainda melhor”, aconselhou o meia Andrés Guardado, que antes do jogo já havia criticado Neymar. Ele ainda considerou que a arbitragem foi tendenciosa a favor dos brasileiros.

“O árbitro trabalhou em prol de beneficiar o Brasil. Não houve lance decisivo, um penal, mas duas, três, quatro faltas que marcaram para eles e não marcaram para nós. Não gostaria de acusar, que foi premeditado para passarem, mas quem assistir ao jogo vai se dar conta de que todas as faltas pequenas foram a favor deles”, afirmou.

Jogador mais experiente do México nesta Copa, o zagueiro Rafa Marquez também mostrou descontentamento com as reações do jogador brasileiro, mas pegou mais leve do que os seus companheiros. “Neymar é um grande jogador, mas às vezes abusa e se joga muito. Tem oportunidade de ser o melhor do mundo [se ganhar a Copa]. Desejo a melhor sorte a ele.”

Em entrevista coletiva, o treinador do México, Juan Carlos Osorio também foi incisivo nas críticas ao atacante brasileiro. “É um péssimo exemplo para o mundo do futebol e para todas as crianças que estão acompanhando. Futebol é um esporte forte, esporte de homens. E não deveria perder tanto tempo assim com um jogador só.”