Diretor de desenvolvimento técnico da Fifa, o ex-jogador holandês Marco Van Basten ironizou as quedas e simulações de Neymar durante a Copa do Mundo e cobrou uma mudança de comportamento do atleta no futuro.

As atuações de Neymar na Rússia e o que foi considerado exagero em reações ao sofrer faltas viraram memes e piadas por todo o planeta.

“É sempre bom ter humorismo no jogo, ele faz as pessoas rirem”, ironizou o holandês, que lidera a parte do grupo de estudos técnicos da Fifa.

Depois, sem ironias, Van Basten cobrou uma mudança de comportamento do jogador daqui em diante.

“Não é uma boa atitude em geral. Você tem de tentar fazer o seu melhor, e se você está atuando muito as pessoas vão ver e isso não vai ajudar em nada. Na minha opinião, ele tem de entender essa situação”, disse Van Basten, campeão europeu em 1988 e um dos principais atacantes da história do Milan.

Durante a Copa do Mundo, Neymar recebeu críticas de rivais e ex-jogadores por cair demais em campo.

Contra a Costa Rica, em partida válida pela segunda rodada, o atacante viu a marcação de um pênalti sobre ele ser revertida pelo árbitro holandês Björn Kuipers após consultar o VAR (árbitro assistente de vídeo).

Ele foi criticado também pela reação, considerada exagerada, depois de sofrer um pisão do mexicano Layún.

“É absolutamente patético. Ninguém duvida das suas habilidades, é um jogador magnífico. Ainda assim, é realmente patético quando começa a rolar como se estivesse em agonia. Por que ele acha que precisa fazer isso?”, questionou o britânico Alan Shearer.

Coordenador do grupo de estudos técnicos da Copa, Carlos Alberto Parreira saiu em defesa do atacante brasileiro.

“Pode ter havido um exagero da parte dele, mas tudo sobre Neymar ganha uma repercussão muito grande. Essa Copa deve servir para ele como uma grande lição, ele vai fazer a diferença jogando futebol, com a qualidade que ele tem. Ele vai fazer a diferença e continuará a ser importante para nós”, afirmou.

Em 2014, Parreira trabalhou com Neymar na Copa do Mundo. O treinador ocupava o cargo de coordenador técnico da equipe comandada por Luiz Felipe Scolari, que foi eliminada na semifinal do Mundial para a Alemanha, após derrota por 7 a 1.